TCE MAIO
TJMS MAIO
Menu
quarta, 25 de maio de 2022 Campo Grande/MS
CÂMARA MUNICIPAL MAIO 2/3 ANO
Algo mais

Com ofício que aprendeu na infância, Lúcia tira renda da família

Crocheteira quer criar um grupo para incentivar prematuros nas maternidade de Campo Grande

13 novembro 2018 - 15h07Por Nathalia Pelzl

Você já ouviu falar de amigurumis? Não? A gente te explica. A palavra é de origem japonesa, a técnica significa boneco com enchimento fabricado por crochê/tricô/trança, constituído de formas geométricas, geralmente com cabeça e tronco em forma de esfera e membros cilíndricos.

Lúcia Bureman, de 50 anos, faz amigurumis há três meses, mas conta que ofício da profissão veio na infância, quando sua avó passou o ensinamento.

“Eu aprendi a fazer crochê quando eu tinha 5 anos, foi a minha avó que me ensinou, minha mãe também fazia, elas morreram e eu continuei o trabalho. Hoje minha renda vem dos trabalhos manuais”, ressalta Lúcia que até tentou trabalhar registrada, mas teve certeza que isso não era o que a deixava feliz.

A primeira peça confeccionada pela artesã foi o personagem da Marvel, Capitão América para o netinho que amou, logo após ela decidiu investir no negócio. Ela conta que o material ainda é comprado em Campo Grande, para a venda dos produtos, a empreendedora faz uso da tecnologia para vender o produto.

“Para venda faço uso das minhas redes sociais, tenho os mais variados clientes, advogado, médico, mães, e acredite a procura maior é dos adultos, eles gostam, acham bonito, faço o cavalinho dos times”, ressalta.

Mas os planos de Lúcia são maiores do que apenas vender seu produto, a artesã pensa em usar seu dom para fazer o bem para outras pessoas.

“Minha ideia é montar um grupo de crocheteiras para fazermos vários polvos para os prematuros das maternidades aqui de Campo Grande, eu só não sei como iniciar ainda, mas tenho fé que vai dar certo”, ressalta esperançosa.

 O trabalho de amigurumis virou febre quando grupos pela Europa começaram a fazer e entregar na maternidade para os prematuros, o polvo auxilia na segurança esses bebês, que se sentem mais seguros que protegidos, pois os tentáculos se remetem ao cordão umbilical e dão segurança semelhante a do útero materno.

Custo: O custo das peças varia conforme tamanho e quantidade de material usado, saindo por R$65, R$75 cada uma.