Menu
sexta, 18 de setembro de 2020
Algo mais

Neta de japoneses busca do outro lado do mundo as técnicas para cerâmica que hoje vende em MS

Suzy Kanezaki disse que as primeiras encomendas a incentivaram a continuar

26 maio 2019 - 15h15Por Maressa Mendonça

Modelar a argila e deixar queimar até que se transforme em uma tigela ou em um conjunto de xícaras é um exercício que enche a artista plástica Suzy Kanezaki, de 26 anos, de orgulho. Neta de japoneses, ela foi até a província de Yamaguchi para aprender as técnicas utilizadas na fabricação de suas peças. 

Suzy conta que o interesse dela por cerâmica surgiu de forma meio “aleatória”, mas permaneceu por paixão, resultado do sentimento de satisfação ao terminar um trabalho e poder dizer: “eu quem fiz”. Ela confessou até um certo ciúmes das peças quando algumas pessoas queriam pegar para ver melhor. Mas isto foi no início, quando ela ainda estava no Japão e algumas cerâmicas ainda saíam imperfeitas. 

Esse início não é tão distante assim. Foi no ano passado, após ela ficar sabendo de um curso para estagiários com direito a bolsa de estudos na região oeste do Japão, mais precisamente em Yamaguchi. A informação chegou aos ouvidos de Suzy quando ela estava na Colônia Jamic, localizada em Terenos. 

Suzy arrumou as malas e foi conviver com uma família de artesãos, sempre com a supervisão de um professor.  “Aprendi tanto parte tradicional, do forno a lenha quanto em sala de aula com o professor”, detalha. Ao todo, foram sete meses de aprendizagem com aulas diárias neste período. “A partir disso eu vi o valor da cerâmica”, declarou. 

O valor das peças é resultado de um processo que dura em, média, uma semana. Em linhas gerais, Suzy explica que a argila é modelada, posta para secar de um dia para outro, colocada no forno em que a temperatura chega a 1200ºC  para a primeira queima, retirada, esmaltada, e queimada novamente. "Depois dessa segunda queima, aí, sim está 100% pronto", detalha. 

Durante este processo ocorre de a argila quebrar ou o esmalte trincar, especialmente quando o artista ainda está aprendendo. “É meio frustrante”. Mas uma decepção ou outra com uma peça não foi suficiente para fazer a neta de japoneses desistir. “Com o tempo, você vai ficando exigente com você mesmo e vai melhorando”. 

A melhora não passou desapercebida e não demorou até que Suzy recebesse alguns pedidos. “Eu não vivo disso, mas estou ficando mais motivada. Eu poderia ter voltado do Japão e desistido, mas, quando percebi o valor da cerâmica decidi continuar”, finaliza. 

Os trabalhos feitos por Suzy são postados no Instagram

Leia Também

Tá podendo: aprovação de Bolsonaro sobe entre quem recebe auxilio emergencial
Geral
Tá podendo: aprovação de Bolsonaro sobe entre quem recebe auxilio emergencial
Mula: PRF prende homem com quase 47 kg de pasta base cocaína em Anastácio
Interior
Mula: PRF prende homem com quase 47 kg de pasta base cocaína em Anastácio
Flordelis vai usar tornozeleira e cumprir toque de recolher no Rio
Geral
Flordelis vai usar tornozeleira e cumprir toque de recolher no Rio
Total de mortos pela covid-19 chega aos 135 mil no Brasil, diz boletim
Geral
Total de mortos pela covid-19 chega aos 135 mil no Brasil, diz boletim