TCE SETEMBRO
Menu
quinta, 23 de setembro de 2021 Campo Grande/MS
Sebrae
Algo mais

Para produtor cultural, tabus podem ser tratados na escola através do cinema

Sétima Arte e educação

01 fevereiro 2014 - 06h00Por Renan Gonzaga

Do que é permitido falar na sala de aula? Sexualidade, drogas, violência, preconceito, diversidade cultural, morte? Estes temas por si só são exemplos de tabus, muitas vezes deixados de lado pelos professores e pelos próprios alunos, em um local onde deveria acontecer exatamente o contrário: A discussão.


Desde a década de 90, os chamados temas transversais, que compreendem ética, saúde, meio ambiente, orientação sexual e pluralidade cultural, são obrigatórios no currículo escolar, mas cada instituição de ensino pode optar pela forma de abordá-los em sala de aula.


Para o produtor cultural Givago Oliveira, o cinema é um boa opção para tratar dos temas transversais mais delicados. “É um direito de todo ser humano entender as diferentes linguagens das ciências. No Brasil, a linguagem cinematográfica é um direito que todos nós entendemos, mas não é uma realidade inserida dentro das escolas”, explica.


Givago é a mente por trás de um projeto que visa exatamente isto aqui em Campo Grande. O “Inventar com a Diferença” tem a intenção de formar professores da rede pública de ensino de todo o Brasil para realizar trabalhos com o audiovisual em sala de aula.


Esse projeto vem de encontro com isso, de atender esse direito humano, que as pessoas possam entender o processo cinematográfico e que se utilizem desse entendimento, desse aprender o cinema dentro da escola, para discutir os direitos humanos, que é algo que já está em atraso a algum tempo”, afirma o produtor.


Para Givago, o cinema é um boa opção para tratar de temas delicados. (Foto: Renan Gonzaga)


Por mais que no Brasil seja tratado de forma superficial, o debate sobre temas transversais está bem avançado comparado a outros países. Em Portugal, por exemplo, o governo aprovou só em 2009 uma lei que obriga as instituições de ensino a implantarem a educação sexual nas salas de aulas. Os portugueses, não contentes, realizaram passeatas na tentativa de derrubar a obrigatoriedade. É mole?


A ação do “Inventar com a Diferença” tem intenção de aproximar crianças e adolescentes do universo temático do cinema e dos direitos humanos. É baseado em uma metodologia descentralizadora, onde todos os professores e alunos atuam de forma coletiva na realização e desenvolvimento das atividades.


Mas será que esta proposta, na prática, vai deixar os jovens instigados com a novidade? A pré-adolescente Sarah Dias, de 13 anos, afirma que sim. “Eu gosto de cinema, quando a professora passa filmes para a gente na sala todo mundo presta atenção. Vai ser legal aprender assim”, comenta a estudante da rede pública de ensino.


Já a mãe de Sarah, a costureira Maria Pereira, afirma que apesar de conversar sobre vários assuntos, as vezes não sabe como falar sobre tabus, como a sexualidade, com a jovem em casa. “Tomara que a escola da minha filha tenha um programa como esse, para tratar desses assuntos, assim ela vai poder tirar as dúvidas e me deixar mais tranquila”, conta.


Porém, Givago alerta que nenhum assunto é de responsabilidade apenas da escola, e sim um trabalho integrado de educação e orientação entre os professores, o cinema e a família. “É exatamente na diferença que a gente encontra o embate. Cada vez mais em uma sociedade que se mostra múltipla e heterogênea, a gente vê que na ideia da diferença que vem a crise. E inventar com diferença é tentar tirar um fruto bom daquilo que talvez fosse um problema”, finaliza.

Leia Também

Rinaldo vê sensibilidade do Governo e Assembleia na redução do ICMS das contas de luz
Campo Grande
Rinaldo vê sensibilidade do Governo e Assembleia na redução do ICMS das contas de luz
PF em Corumbá prende boliviana envolvida no desastre do avião da Chapecoense
Interior
PF em Corumbá prende boliviana envolvida no desastre do avião da Chapecoense
Jovem que matou amiga com tiro na nuca pega 12 anos de prisão em Ivinhema
Interior
Jovem que matou amiga com tiro na nuca pega 12 anos de prisão em Ivinhema
Pedreiro é executado por dupla em moto em frente de obra em Aral Moreira
Interior
Pedreiro é executado por dupla em moto em frente de obra em Aral Moreira