Menu
sexta, 30 de outubro de 2020
Algo mais

Para evitar depressão canina, veterinária dá dicas de raças ideais para apartamento

Cuidados caninos

20 fevereiro 2014 - 06h00Por Renan Gonzaga

Por conta do crescimento descontrolado que vem acontecendo nas cidades nos últimos tempos, a opção mais apropriada para quem procura conforto e segurança acaba sendo os apartamentos. E quem ama os animais e deseja criar um cachorro, precisa se adaptar aos espaços cada vez menores, além de ter alguns cuidados especiais.


Para manter um cãozinho feliz em locais pequenos, é necessário levar em conta algumas atitudes e regas como a saúde e o bem estar dos pequenos, além da escolha da raça que se adapte melhor ao apartamento. Os animais de pequeno porte são os que conseguem viver melhor nesses ambientes.


Segundo a médica veterinária Flora Scardini, as raças mais populares para viver em espaços menores são Shih-Tzu, Maltês, Spitz Alemão, Poodle, Schnauzer, Pug, Chihuahua, Yorkshire, West Highland White Terrier, Pinscher e Lhasa Apso.


“É necessário sempre manter o controle de ectoparasitas, como carrapatos que é o mais comum. Deixar a vacinação em dia e fazer visitas regulares ao médico veterinário.”


Ela explica também que os donos dos pets devem sempre reservar um tempinho para passear com o cão, fazendo que eles gastem energia para manter a saúde. Outra alternativa é ficar atento as particularidades de cada espécie, já que algumas raças podem se tornar depressivas por passar períodos sozinhas em espaço fechado.


(Foto: Reprodução/Internet)


Uma medida para contornar esta situação é analisar o temperamento do animal escolhido. “Tem algumas raças de cães que são mais difíceis de se adaptarem em apartamento, podendo causar transtornos como latidos indesejados. É importante também sempre interagir com o animal com brinquedos e bastante atenção e carinho”, recomenda.


A POLÊMICA DA CORDOTOMIA


Um dos problemas causados por manter animais em apartamento é o barulho que eles fazem com os latidos e miados excessivos. A alternativa encontrada para acabar com as noites de insônia dos donos dos bichos e das vizinhas são as cirurgias para desligar as cordas vocais de cães e gatos, chamadas de cordotomia.


A operação é simples e dura 15 minutos. Quem decide pela intervenção é o dono do animal, e como resultado o bicho passa a emitir latidos ou miados sussurrados. As sociedades de proteção de animais já se posicionaram contra e alguns veterinários também. “Ela gera polêmica, pois é considerada mutilação, não sendo assim indicada”, comenta a médica.


“Apesar de gerar incomodo para algumas pessoas, o latido é uma das formas que o cão tem de se comunicar.”


Muitas raças podem se tornar depressivas por passar longos períodos sozinhas. (Foto: Reprodução/Internet)


Para Flora, existem outras maneiras que funcionam como alternativa à intervenção, como o adestramento. “Há outros métodos não invasivos para solucionar o problema de animais com latidos excessivos, como adestramento e mudanças de como o proprietário interage com seu animal de estimação”, finaliza.

Leia Também

Homem é preso por vender ossadas de cemitério para rituais religiosos no Rio
Geral
Homem é preso por vender ossadas de cemitério para rituais religiosos no Rio
Brasil tem 513 mortes pela covid em 24 horas, diz Ministério da Saúde
Geral
Brasil tem 513 mortes pela covid em 24 horas, diz Ministério da Saúde
Corredor de ônibus e apoio aos aplicativos foram destaque em horário eleitoral da noite
Cidade Morena
Corredor de ônibus e apoio aos aplicativos foram destaque em horário eleitoral da noite
Babaca: homem invade quintal e mata cachorro a pauladas em Anastácio
Interior
Babaca: homem invade quintal e mata cachorro a pauladas em Anastácio