TCE JUNHO 2022
TOP MIDIA INSTITUCIONAL
Menu
segunda, 27 de junho de 2022 Campo Grande/MS
GOV ENERGIA ZERO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
Campo Grande

Mais uma vez, Justiça derruba decreto municipal sobre aplicativos de transporte

Decisão pontua que novo regimento da prefeitura é equivocado e quase idêntico ao texto anterior

22 julho 2018 - 11h42Por Amanda Amaral

Foi novamente suspenso o decreto da Prefeitura de Campo Grande que estabelece série de regras para motoristas de aplicativos de transporte. A decisão é do juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos da Capital, expondo que o novo texto e anterior são quase iguais.

Ainda, recapitula que o assunto já foi judicializado, e pede que o executivo aguarde a decisão sobre a ação corrente. Ao atender pedido do Ministério Público Estadual, o juiz estende os efeitos da liminar concedida em 2017 ao decreto recente, citando a Lei Federal 13.640/2018, que já dispõe série de exigências sobre serviços remunerados de transporte privado individual de passageiros.

Conforme a lei federal de regulamentação e fiscalização, municípios e Distrito Federal devem observar pontos como a cobrança ao motorista dos tributos municipais devidos pela prestação do serviço; exigência de contratação de seguros contra acidentes; carteira B com autorização para a atividade; idade limite e licenciamento do veículo; certidão negativa de antecedentes criminais; entre outros.

O juiz também entende que o novo decreto não ocorreu por má-fé, e sim porque houve uma interpretação equivocada das circunstâncias, mas adverte o município na decisão. “Não fosse assim [sua decisão], sempre que o processo se encaminhasse para sentença, o Poder Público mudaria o número do ato questionado e a discussão voltaria ao início em outro processo, num retrabalho sem fim”, destaca.

Diferença

Atuam hoje na Capital as OTTs (operadoras de tecnologia de transportes) Uber, Urban e 99POP, que deveriam, entre outras exigências do último decreto da prefeitura, compartilhar com o município, em tempo real, dados como origem e destino da viagem, tempo de duração e quilometragem rodada, e avaliação pelo passageiro.

Os dados seriam arquivados por 12 meses. Esse é o ponto com maior diferença do já vigente decreto federal, além da aprovação em curso de formação com conteúdo e carga horária igual ao oferecido aos condutores de transporte individual como táxis.