TCE Novembro
TJMS DEZEMBRO
Menu
quinta, 02 de dezembro de 2021 Campo Grande/MS
ALMS - NOVEMBRO
Campo Grande

Mortes em UPAs: secretário confirma falta de médicos, Bernal diz que é mentira

Confusão

03 março 2016 - 07h00Por Dany Nascimento e Rodson Willyams

O prefeito Alcides Bernal (PP) e o secretário de Saúde, Ivandro Fonseca, fazem uma verdadeira confusão quando o assunto é saúde pública de Campo Grande. Enquanto o secretário admite falta de médicos, como foi confirmada pela equipe do TopMìdiaNews na UPA Moreninhas, recém inaugurada pela prefeitura, Bernal desmente à imprensa o próprio subordinado e aliado.

Ivandro  diz que reconhece que o município enfrenta déficit de pediatras, mas acredita que a situação deve se normalizar com a realização do concurso público. “Assumo e reconheço: existe um déficit na assistência pediátrica. Como providências, o prefeito Alcides Bernal (PP) fez a abertura do concurso público para sanar essas deficiências que temos em relação a recursos humanos. Não só médicos, mas enfermeiros, técnicos em enfermagem, assistência social”, disse o secretário.

Mas, o Chefe do Executivo desmente a informação e afirma que não procede a falta de médicos pediatras nas UPAS, alegando que a falha acontece em 'uma ou outra unidade' e não em todas como foi constatado na última sexta-feira (26), principalmente no período da tarde, onde os próprios funcionários e pacientes afirmaram que não tinha especialista  de crianças atendendo.

O prefeito disse que a falha não afeta o sistema, mesmo diante do clamor da população, que destacou que o "prefeito deveria ter deixado o posto de saúde das Moreninhas funcionando, do que inaugurar um UPA só para contar com uma estrutura bonita, já que reduziu o número de médicos atendendo".

"A informação que não havia médico não é verdade, tinha médico. Tem uma falha em uma ou outra unidade, que não afeta o sistema", disse o prefeito.

Os moradores da região temem que crianças fiquem doentes no horário em que o SUS não disponibiliza pediatras nas unidades públicas. Agora, a criança só pode ficar doente de manhã ou à noite, porque no período da tarde, raramente existem especialistas em atendimento infantil, como ocorre no UPA da região das Moreninhas. 

O TopMídiaNews percorreu as UPAS Coronel Antonino, Vila Almeida, Universitária e Moreninhas, se deparando com a falta de profissionais e com a tristeza da população ao procurar pelo atendimento. O único UPA que tinha previsão de ter pediatras atuando no período da tarde na última sexta-feira, era o Coronel Antonino, mas a central de regulação do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) não confirmou a presença do profissional. 

Além da falta de profissionais, a população também reclama da "falta de respeito" dos funcionários das UPAS com os pacientes que procuram atendimento, relatando casos, em que pacientes até perdem a vida ao aguardar na fila de espera. Foi o que aconteceu com Aurilina Ana Gonçalves, de 67 anos, que deu entrada no UPA Universitária com fortes dores no peito e após ser considerada com paciente sem risco pelas enfermeiras responsáveis pela triagem, teve duas paradas cardíacas e morreu na unidade.