TCE Novembro
TJMS DEZEMBRO
Menu
sábado, 04 de dezembro de 2021 Campo Grande/MS
ALMS - NOVEMBRO
Campo Grande

Cega de um olho, faxineira não consegue mais diárias e procura emprego para sustentar filhos

Mãe de 32 anos e os filhos passam necessidade, sem ter o mínimo para comer; pai das crianças faleceu

29 setembro 2021 - 07h00Por Dany Nascimento

Mãe de quatro filhos, Cristina da Silva, 32 anos, pede ajuda para conseguir emprego e manter uma vida tranquila ao lado dos filhos, que sofrem com a falta de alimentos em Campo Grande. 

A família reside no bairro Aero Rancho. Cristina conta que atuava como faxineira, mas perdeu a visão do olho esquerdo e agora quase não consegue diárias para fazer. 

“Na minha última gestação, meu filho nasceu de sete meses, tive complicações e acabei perdendo a visão do lado esquerdo. Eu tenho um filho de 13 anos, um menino de 10 anos, uma menina de 4 anos e um bebê de cinco meses. Antes eu conseguia diárias, trabalhava de faxineira, mas agora as pessoas não querem chamar mais devido ao meu problema da visão”, diz a mãe. 

Cristina afirma que antes tinha a ajuda do pai dos três filhos mais novos. “Ele faleceu, enfartou e morreu. Ele me ajudava bastante com as crianças, trabalhava como servente de pedreiro. Agora ele faleceu e eu não sei mais o que fazer. Não vou mentir, eu saio na rua pedindo alimento porque meus filhos estão com fome”.

A faxineira reside em uma casa de dois cômodos, alugada. “Eu ganho R$ 375 do Bolsa Família, dai consigo uma diária ou outra e consigo juntar e pagar o aluguel de R$ 550. Eu queria um emprego para cuidar bem dos meus filhos”. 

Segundo a mãe, as crianças encaram geladeira vazia diariamente no imóvel. “Eles tomam leite, precisam de fruta, de comida, às vezes eu consigo arroz, um feijão na rua. Meu bebê de cinco meses também precisa de leite Nan para seis meses. Ele não mama no peito, preciso de fraldas, infelizmente estamos em uma situação muito complicada”. 

Para ajudar a família ligue (67) 98215-9481.


                                                                                                    Geladeira da família - Foto: Arquivo Pessoal