TCE Novembro
TJMS DEZEMBRO
Menu
sexta, 03 de dezembro de 2021 Campo Grande/MS
CONSTRUINDO O SABER 29/11 A 29/12
Campo Grande

Prefeitura lança edital para inscrição no Programa Manancial Vivo

06 junho 2016 - 20h00Por PMCG

Os produtores rurais que possuem propostas de ações de preservação e conservação de suas áreas na Bacia do Guariroba e seu entorno já podem se inscrever no Programa Manancial Vivo (PMV) desenvolvido pela Prefeitura de Campo Grande sob a coordenação da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano (Semadur). O edital para inscrição foi lançado, nesta segunda-feira (06), em solenidade no Centro de Educação Ambiental Leonor Reginato Santini (CEA Polonês).

Este é o quarto edital (o edital nº 01/ 2016) lançado para credenciamento dos proprietários rurais visando a seleção de propostas destinas à conservação do solo, água e florestas e, consequentemente ao recebimento do Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) desenvolvido pelo Programa Produtor de Água da Agência Nacional de Águas (ANA).

De acordo com o edital, serão atendidos proprietários pertencentes às sub-bacias dos Tocos, Rondinha e Reservatório, somando 34 proprietários rurais, totalizando 100% do território da bacia do Córrego Guariroba, adequados ambientalmente e contratados para o recebimento de serviços de ambientais. Os outros três editais anteriores contemplaram cerca de 27 proprietários rurais das sub-bacias do Guariroba e Saltinho.

O secretario de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano, Rui Nunes, enfatizou sobre a importância do Programa Manancial Vivo e do edital como forma de regularizar práticas nas áreas rurais. “O lançamento do edital para credenciamento dos proprietários rurais para recebimento de Pagamentos por Serviços Ambientais demonstra a preocupação da gestão do Prefeito Alcides Bernal com as questões ambientais, mas especificamente com aquelas relacionadas às questões hídricas”, pontua.


Segundo o coordenador do Programa Manancial Vivo, Marcos Andrey Alves Meira, o edital abrange todas as sub-bacias necessárias para melhoria e restauração ecológica de Áreas de Preservação Permanente (APP), na conservação de remanescentes florestais e auxilia em recursos aos produtores. “A assinatura deste documento gera um grande ganho ambiental para todos os proprietários rurais que estão regularizados dentro do programa, sendo que 60% das obras necessárias são vindas dos produtores e 40% da prefeitura por meio do Pagamento por Serviços Ambientais”, explica.

  

Entre os participaram do evento, o presidente do Sindicato Rural Ruy Fachini ressaltou que o Programa Manancial Vivo é fundamental para o desenvolvimento do município, principalmente quanto ao abastecimento de água à população e nas parcerias dos produtores rurais com o órgão público. “O objetivo principal é a proteção do meio ambiente e das bacias que abastecem Campo Grande, de modo a executar um trabalho diferenciado para recuperação das nascentes, dando sustentabilidade às questões econômicas e sociais”.

O analista ambiental do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Roberto Gonçalves, destacou as ações desenvolvidas pelo Programa. “Essas atividades são muito satisfatórias porque são iniciativas como estas que ajudam na preservação da Bacia do Guariroba. A Participação de todos os envolvidos fortalece a ação e serve como exemplo”, conclui.

A região da Bacia do Guariroba conta com cerca de 62 propriedades rurais e a maioria dos produtores rurais têm idade acima de 60 anos e estão conscientes da preocupação com o meio ambiente e preservação da água que consideram relevante. Entre os produtores está João Carlos Costa que já faz parte do Programa. “Temos nossas áreas de preservação permanente demarcadas corretamente, além de reservas ambientais definidas, desenvolvemos nossas obras com recursos próprios e com a parceria da prefeitura. Somos auxiliados pelo Pagamento por Serviços Ambientais e todo o trabalho é ágil e organizado”, afirma o proprietário rural.

Já para o proprietário da Fazenda Figueira, Luiz Antonio Davantel, a conservação das propriedades rurais beneficia a diminuição de erosões. “As ações de preservação do meio ambiente contribuem para diminuir a erosão, na melhoria da cobertura da vegetação com o plantio de árvores e no aumento na quantidade de gado por hectare. Estamos muito satisfeitos”, destaca.

O evento também teve participação de representantes da Agência de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Campo Grande (AGEREG), produtores rurais, órgãos ambientais, conselhos gestores das unidades de conservação municipais e de meio ambiente, instituições financeiras, Banco do Brasil, Sindicato Rural de Campo Grande, Associação dos Produtores Rurais, Agência Nacional de Águas (ANA), Programa Água Brasil, WWF Brasil, Embrapa, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Governo do Estado de Mato Grosso do Sul por meio da Agraer, Uniderp, Imasul, MPE/MS, Águas Guariroba, Associação de Recuperação e Conservação do Guariroba, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/MS), dentre outros.