TJ BANNER JUNHO 2022
PREF MARACAJU JUNHO REFIS 2022
Menu
sábado, 25 de junho de 2022 Campo Grande/MS
GOV ENERGIA ZERO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
Campo Grande

Saiba quais atendimentos estão sendo feitos em unidades de saúde da Capital

Vacinação, curativos e medicações continuam

02 abril 2020 - 08h53Por Rayani Santa Cruz

Desde o dia 18 de março os atendimentos ambulatoriais e agendados estão suspensos nas unidades da Rede Municipal de Saúde de Campo Grande como medida de segurança em razão da pandemia de Coronavírus (Covid-19). Na Atenção Primária, as 71 unidades passaram atender somente as chamadas demandas espontâneas, observando a classificação de risco e vulnerabilidade, mas mantiveram os atendimentos considerados essenciais assegurando assim a assistência necessária à população.

Estão mantidos os atendimentos considerados essenciais para toda a população, como vacinação, retirada de pontos, sondagem vesical de demora, curativo e medicações.

Primeira consulta de gestantes, gestantes com complicações ou em acompanhamento de alto risco ou outros especialistas, gestantes a partir de 36 semanas.

Primeira consulta de puericultura e teste do pezinho, crianças com complicações ou em acompanhamento com outros especialista, pessoa vivendo com HIV sem supressão viral (Carga Viral detectável) sem uso regular de tratamento antiretroviral (TARV) ou com outras complicações clínicas como ou com CD4 < 350.

•  Pessoas em tratamento de tuberculose (em especial se baixa adesão, complicações clínicas ou sociais, comorbidades
ou em tratamento diretamente observado).

•  Pessoas com problemas de saúde graves em investigação, (como investigação de neoplasias, sintomas agudos que
demandaram investigação e retorno).

•  Pacientes oncológicos.

•  Pessoas que necessitam de renovação de receitas de controle especial ou outras situações em que o aumento do
tempo de validade das receitas não for suficiente para manter a adesão.

•  Pacientes que fazem uso da insulina análoga.

Quando necessário as unidades deverão realizar os atendimentos eletivos em espaços externos na comunidade, caso haja indisponibilidade de tais locais, organizar os atendimentos nos horários de menor fluxo, além de comunicar e orientar claramente a população os motivos de cancelamento das consultas e atendimentos domiciliares eletivas e quais são as situações que ainda vão ser atendidas.