TCE Novembro
TJMS DEZEMBRO
Menu
sexta, 03 de dezembro de 2021 Campo Grande/MS
CAMARA - vacinaçao
Campo Grande

Sem previsão de asfalto, moradores de bairro da Capital fazem 'rally'

15 maio 2016 - 11h15Por Anna Gomes

Sem previsão da Prefeitura Municipal de Campo Grande asfaltar o Jardim das Nações, os moradores da região precisam fazer 'rally' para conseguirem trafegar pelas vias do bairro. A população também convive com a falta de segurança e obras paradas e, mesmo assim, vivem na esperança de dias melhores.

Os vizinhos criaram até um grupo, em um aplicativo de celular, para um conseguir conversar com o outro e assim alertar de  supostos perigos que possam acontecer. "O grupo já têm 222 participantes a gente conversa, avisa se tem algo suspeito no bairro e assim podemos conseguir fazer com que algo pior não aconteça", ressaltou uma moradora.

Mas não é só a segurança do local que precisa melhorar, no bairro existe uma construção de uma escola municipal, mas as obras estão paradas desde a época de quando Nelson Trad Filho estava a frente da prefeitura.

 (Obra esquecida pela prefeitura. Foto: Anna Gomes)

Depois do abandono da construção, o local está se tornando um refúgio para usuários de drogas. Com mato alto, vários recipientes que podem acumular água parada e lixo acumulado, o problema se prolonga, já que entra prefeito e sai prefeito, mas nada das dificuldades dos moradores serem resolvidas.

Fernando Pereira de 39 anos, diz que quando a prefeitura continuar a construção, vai precisar reformar os estragos que o tempo e os usuários destruíram. "E assim vai nosso dinheiro, sendo gasto em obras que eles começam, não terminam e depois precisam voltar. Com o mato é até perigoso as mulheres que trabalham e chegam tarde  do trabalho, elas correm o risco de alguém se esconder no matagal e estuprá-las", ressaltou.

(Mato alto acaba se tornando refúgio de usuários de drogas. Foto: Anna Gomes)

Leandro Márcio, 44 diz que mora no bairro há três anos e desde quando se  mudou para o local as obras da escola estão paradas e várias crianças que precisam estudar vão em outras regiões devido a paralisação da obra.

"Os alunos frequentam outros bairros para continuar os estudos com uma escola no próprio bairro. O local abandonado é perigoso, pois com muito lixo acumulado pode trazer doenças para os moradores. Se a população não cuida do terreno precisa pagar multas, se a prefeitura não arca com o que nos cobra não acontece nada? é obrigação do município cuidar do que é dele", relata.

 (Lixo acumulado leva riscos de doenças para a população. Foto: Anna Gomes)

Uma outra moradora que não quis se identificar com receio de represálias, diz que a segurança também é um problema constante para a população, com receio de que mais assaltos venha a acontecer, os populares que residem na região criaram um grupo em um aplicativo de celular onde um consegue se comunicar com o outro.

"Mais de 200 pessoas estão no grupo  e quando alguém vê algo suspeito, já alerta rapidamente na rede social e assim tentamos controlar nossa segurança. O asfalto aqui já foi prometido, mas hoje em dia nem cascalhamento passa por aqui, já teve casos que os próprios moradores fizeram o patrolamento de sua rua após ficarem cansados de esperarem pela prefeitura", lamentou.

Algumas ruas do Jardim das Nações são verdadeiros rios e os condutores dos veículos precisam fazer 'rallys' para trafegarem pelas vias. "Precisamos de uma solução urgente, o prefeito esquece que haverá eleições novamente. Ninguém vai resolver o problema até acontecer algo pior. A noite devido a escuridão que predomina a região, é perigoso principalmente para motociclistas que assim como eu precisam atravessar essas 'lagoas' tarde da noite", explica Paulo Aguiar de 49 anos.

A equipe de reportagem tentou entrar em contato com a Prefeitura Municipal de Campo Grande com a intenção de saber quando a região será asfaltada e quando as obras da escola serão retomadas. O município respondeu que não existe previsão de asfalto para o bairro e a respeito da escola, no momento, a assessoria de imprensa não sabia responder, ficou de averiguar e oferecer a resposta.