Menu
sábado, 16 de janeiro de 2021
Cidade Morena

Banana sobe quase 30% em Campo Grande e junto da energia foi vilã da inflação em dezembro

Energia elétrica residencial teve alta de 11,22% em 2020

13 janeiro 2021 - 21h44Por Thiago de Souza

O preço da banana nanica subiu 28,97% em dezembro ano, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, o IPCA. Junto com a energia elétrica, a fruta ajudou a pressionar a inflação em Campo Grande, de 6,5% em 2020. 

Conforme o levantamento, o IPCA de dezembro na Capital subiu 1,51%, sendo 0,64% maior do que o registrado em julho do mesmo ano. O resultado de dezembro é o segundo maior já registrado desde o início da série histórica na capital (janeiro de 2014). 

No grupo de produtos e serviços, o setor da Alimentação e Bebidas subiu 2,70% em dezembro e no acumulado resultou em 16,72%. O subgrupo Alimentação no Domicílio  teve alta de 3,2% (com impacto de 0,53% na inflação do mês), com destaque para a carne, com variação de 3,3%. É dentro desse item que está a banana nanica, a banana maçã e a batata inglesa, todas com grande variação de preços.

Segundo a pesquisa, o grupo Habitação teve variação de 2,99% em dezembro. É nele que aparece o subitem Energia Elétrica Residencial, que variou 6,99% no mês, causando impacto de 0,38% na inflação do período. Em novembro do ano passado, a Energia Elétrica teve variação negativa de 0,60%.  

Luz cara

Segundo o estudo, o motivo da energia elétrica ter pressionado a inflação do mês foi a aplicação da bandeira tarifária Vermelha patamar 2, que causou acréscimo de R$ 6,24 a cada 100 quilowatts-hora consumidos. 

No Jardim Los Angeles, uma moradora reclamou que a conta de luz encareceu quase 20 reis por conta da bandeira vermelha. Além disso, em julho passou a vigorar o reajuste anual da Energisa, de 6,9%, mesmo em período de pandemia da covid-19. Durante o ano de 2020, diz o IBGE, a energia elétrica residencial teve alta de 11,22%.