(67) 99826-0686
PMCG - Prestação de contas

Bernal alega crise financeira e convoca Reinaldo para ajudar a manter tarifa de ônibus

O prefeito não confirmou o aumento, mas voltou a destacar que a prefeitura enfrenta dificuldades na administração

10 NOV 2016
Dany Nascimento
14h58min
Foto: Geovanni Gomes

Em meio a discussões sobre o possível aumento da tarifa de transporte coletivo, que atualmente custa R$ 3,25 e pode chegar a R$ 4, o prefeito Alcides Bernal (PP) afirma que está analisando a situação financeira do município antes de definir o reajuste.

O Chefe do Executivo diz que o município ainda enfrenta dificuldades financeiras, mas não confirma o reajuste. "Estamos trabalhando nessa questão da tarifa, mas não há decisão nenhuma por aumento ainda não. Estou analisando. A situação financeira do município, como todos sabem, ela não é diferente da situação financeira do nosso país, a economia está fragilizada".

Bernal ressalta que ainda não conseguiu resgatar os cofres públicos após suposto descontrole na gestão do ex-prefeito Gilmar Olarte. "Eu consegui recuperar a estabilidade, mas não recuperei aquela condição que deixei em março de 2014, quando eles fizeram aquele crime. Hoje o município está ai com dificuldade financeira".

Alcides explica que está analisando o ISS (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza), IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano ) e diz que vai solicitar apoio ao governador Reinaldo Azambuja (PSDB) em relação ao ICMS( Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços).

"Estou analisando as tarifas, analisando o IPTU, ISS. Estou analisando com muita responsabilidade. Vou chamar os concessionários, eu acho que o Governo do Estado também tem que fazer sua parte. Temos que baratear o transporte coletivo urbano, melhorar a qualidade do serviço e a parte do ICMS, relativa ao governo do Estado, que pode ser objeto de isenção para o incentivo à qualidade e barateamento de custo. Eu gostaria de chamá-lo para fazer parte, o município faz sua parte, cada um com sua parte que lhe cabe", diz Bernal.

Veja também