Menu
sexta, 25 de setembro de 2020
Cidade Morena

Campanha Abril Laranja: violência contra animais cresce 39% em Campo Grande

“Abril Laranja” é mês dedicado à prevenção da crueldade contra animais em todo o mundo

01 abril 2019 - 11h40Por Redação

Violência, crueldade, falta de respeito e amor ao próximo. Isso bem que poderia ser um enredo de filme, livro ou séries, mas infelizmente é a realidade que os animais sofrem todo dia em Campo Grande.

De janeiro de 2017 até fevereiro de 2019, foram registrados pelo CCZ (Centro de Controle Zoonoses e Bem-Estar Animal) 1.706 casos de maus tratos contra animais em Campo Grande. 

Já segundo dados da Sejusp (Secretaria  Estadual de Justiça e Segurança Pública) foram registrados de janeiro de 2017 até 25 de março de 2019 134 boletins de ocorrência por praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos. Sendo que em todo o Estado foram registrados apenas 411 boletins de ocorrência.

Mesmo com esse baixo índice houve um aumento de 35% de violência contra os animais em todo o Estado de 2017 para 2018 nos boletins de ocorrência. Já nas denuncias recebidas pelo CCZ de Campo Grande o índice de violência contra animais em 2018 aumentou 39% em relação ao mesmo período de 2017 e só nos dois primeiros meses desse ano já foi registrado 177 casos de maus tratos animal no CCZ.

Diante de tanta violência e para tentar conscientizar a população, a Aspca (Sociedade Americana para a Prevenção da Crueldade Contra os Animais), instituiu o “Abril Laranja” como mês dedicado à prevenção da crueldade contra animais em todo o mundo.

Em Campo Grande, o presidente da Comissão Permanente de Defesa do Bem-Estar e Direitos dos Animais, vereador Veterinário Francisco (PSB), apoia a iniciativa desde o ano passado quando começou a incentivar pelas suas redes sociais a adesão da população para essa causa.

“Eu estou vereador. Minha bandeira é a Causa Animal. Eu sou veterinário há 40 anos e me deparo infelizmente todos os dias com violências contra animais e a campanha Abril Laranja é uma forma de divulgar e mostrar para as pessoas que precisam ter consciência e proteger os animais. Essa campanha é de fácil adesão e é só compartilhar um laço laranja nas mídias sociais”, explica o parlamentar.

Francisco explica que a violência contra animais é muito grande e as mídias sociais viraram um facilitador para fazer denuncias e coletar provas e também uma forma de propagar a conscientização contra os maus tratos animal como é a campanha Abril Laranja.

“Há mais relatos de maus-tratos em redes sociais do que nas delegacias. Então a falta de resolução do Poder Público desestimula as pessoas a procurarem os órgãos competentes, mas temos que denunciar mesmo assim. Hoje, todo mundo tem um celular com câmera. Fica mais fácil fazer uma denúncia e reunir provas em favor dos animais”, comenta.

Ele explica que são considerados maus-tratos, entre outros casos, abandono, espancamento, envenenamento, deixar os animais presos com correntes, negar água e comida, capturar animais silvestres, obrigar animais a puxarem pesos superiores à sua força, negar assistência veterinária a animais feridos ou doentes, não abrigar os animais na chuva ou sol, utilizar animais em shows que lhes cause estresse e promover rodeios e rinhas de galo.

Para tentar implementar políticas públicas para o Bem-Estar Animal, foi criado o Combea (Conselho do Municipal do Bem-Estar Animal) que é um colegiado de caráter permanente, deliberativo e consultivo, vinculado à Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), que tem por função e competência buscar as condições necessárias à defesa, proteção, bem-estar, preservação da vida, assim como dos direitos dos animais, através da implementação e execução de políticas públicas.

Serviço:

A população pode denunciar maus tratos a animais na DECAT – Delegacia Especializada de Repressão a Crimes Ambientais e Atendimento ao Turista. Os telefones para contato são: 3325-2567 / 3382-9271.

Leia Também

Relator da PEC da 2ª instância, Fábio Trad lamenta: 'não há articulação para aprovar o texto'
Política
Relator da PEC da 2ª instância, Fábio Trad lamenta: 'não há articulação para aprovar o texto'
Obstetra envolvida em morte de Sheyza dá caminhão como fiança e fica solta
Interior
Obstetra envolvida em morte de Sheyza dá caminhão como fiança e fica solta
Baleado na mão e no tórax, vítima do falso frete segue estável em UPA
Cidade Morena
Baleado na mão e no tórax, vítima do falso frete segue estável em UPA
Usuário de drogas é morto com tiro no pescoço no Itamaracá
Polícia
Usuário de drogas é morto com tiro no pescoço no Itamaracá