Menu
Busca terça, 12 de novembro de 2019
Cidade Morena

Vereadores pedem reforço na segurança de postos e mais investimentos em Saúde

Parlamentares destacam que enfermeiro esfaqueado é caso isolado, mas reforçam necessidade de melhorias na Saúde da Capital

16 setembro 2019 - 14h38Por Rayani Santa Cruz

Para uns, o caso do enferemeiro esfaqueado mostra a necessidade de aumentar a segurança e guardas metropolitanos em Caps e unidades 24 horas, para outros a solução é investimentos na área psiquiátrica. Há também sugestão de projeto para auxiliar psicologicamente servidores.

Para o vereador Wellington (PSDB), a Guarda Municipal deve, além de proteger prédios públicos, fazer um reforço da segurança em locais como Caps e unidades que funcionam 24 horas.

“Temos que ter uma segurança orgânica e cuidados para que ninguém sofra. Elaboramos um ofício encaminhado ao secretário municipal de segurança para melhorar a escala de plantão dos guardas”, diz.

(Vereador Delegado Wellington- Foto: André de Abreu)

Sem efetivo completo fica difícil guarda fazer segurança em diversos locais, a esperança para amenizar o déficit é o concurso previsto nos próximos meses, destaca ele.

Saúde

Defensor da pediatria, o vereador Junior Longo (PSB) diz que o grande gargalo de Campo Grande é a saúde, e que a área psiquiátrica está praticamente esquecida.  Ele diz que o incidente é um sinal de atenção, apesar de ser um caso isolado.

“Precisamos ter um olhar atento urgentemente para duas áreas pediátrica e psiquiátrica. O caso do enfermeiro mostra e ascende uma luz que ninguém olha e não presta atenção. Então precisamos prevenir”.

(Vereador Junior Longo- Foto: André de Abreu)

Ele discorda de colegas que acham a segurança em postos fundamental. “Não funciona. Daqui a pouco vamos montar um quartel nesses locais. A questão é de saúde e prevenção”.

Acredita do Governo Federal

Longo acredita ainda que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, deva auxiliar o município. 

“Temos uma esperança de colocarmos a saúde em um outro patamar, já que o ministro da saúde do país, é campo-grandense, da cidade e já administrou o Estado, então a contribuição pode ser muito grande”.