Menu
terça, 22 de setembro de 2020
Cidade Morena

Com doença degenerativa na coluna e câncer, idoso perde benefício e família quer explicações

Família lutou para conseguir o benefício, que foi cortado em fevereiro deste ano sem aviso prévio

17 maio 2019 - 07h00Por Nathalia Pelzl

A família do pastor e marceneiro Renê Coelho Cavilioni, 60 anos, está desesperada. O idoso, que tem problemas na coluna e laudos que comprovam a inaptidão para o trabalho, teve o benefício de auxílio-doença, cortado pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

A filha de Renê, Adriana Cavilioni, 30 anos, conta que foi difícil conseguir que o pai recebesse e agora não entende porque o benefício foi cortado, já que ele possui todos os laudos.

“Ele tem esse problema na coluna há anos, sempre reclamava de dor, aí foi no médico e constatou, através de exames, que não poderia trabalhar. Isso foi em 2014. O médico deu um laudo para ele encostar. Os exames apontaram que ele tem a coluna de uma pessoa que não anda. Fez um exame chamado cintilografia e outros, só não fez ressonância”, relata.

Segundo a filha, na época, o pai trabalhava com marceneiro e realizava alguns serviços de serralheiro e pedreiro. Mesmo assim, antes de o pai conseguir encostar, o benefício foi negado mais de 3 vezes.

“Ele morava em Caarapó, teve o benefício negado três vezes lá, na quarta conseguiu, após contratar advogado e entrar com uma ação contra o INSS. Em 2015, descobriu um câncer de próstata. Aí foi quando falei que não tinha condições dele ficar em Caarapó e pedimos pra ele vir pra Campo Grande. Tudo isso sem salário, recebia apenas R$ 500 de ajuda da igreja, morava no fundo da igreja. Minha mãe trabalhava como doméstica, três vezes na semana, ganhava em torno de R$ 700”, desabafa.

Família é humilde e vive em casa de madeira - Foto: Arquivo Pessoal

Ela reforça que depois de tanta luta, agora em março, a família teve uma surpresa.

“Eu corri atrás, foram mais de três vezes até conseguirmos, fui à Sesau atrás do secretário, mas agora, em fevereiro, descobrirmos que meu pai tinha que ter ido à perícia, só que ninguém avisou, ele não sabia. Quando foi no mês de março, meu pai foi receber e não tinha pagamento. O banco mandou a e gente procurar o INSS”, revela.

Segundo a filha, uma nova perícia foi marcada e realizada na última segunda-feira (13). A médica olhou os exames e falou para a família ver o resultado na internet. Quando foram consultar, a surpresa, o benefício havia sido negado.

“Não sabemos o motivo, meu pai e minha mãe moram em uma casa simples de madeira. Minha irmã não tinha pra onde ir com o marido e a filha é especial, então meu pai os abrigou, mas não sei se é por isso”, conta.

Procurada, a assessoria de imprensa do INSS informou que o segurado encontrava-se em benefício de 2014 até 02/2019, sendo que o benefício é Judicial, cessado por ter sido transitado e julgado na revisão administrativa. Disse ainda que, para reativar esse benefício, somente com outra determinação Judicial e finalizou dizendo: "Hoje, nada podemos fazer".

Leia Também

Jovem finca agulha de narguilé e mata namorado após discussão por pastel
Geral
Jovem finca agulha de narguilé e mata namorado após discussão por pastel
Apesar de fracas, chuvas continuam na terça e deixam clima fresquinho em Campo Grande
Cidades
Apesar de fracas, chuvas continuam na terça e deixam clima fresquinho em Campo Grande
Trio morre ao trocar tiros com policiais do DOF após assalto em Naviraí
Interior
Trio morre ao trocar tiros com policiais do DOF após assalto em Naviraí
Brasil tem 377 mortes por covid em 24 horas e total chega a 137 mil
Geral
Brasil tem 377 mortes por covid em 24 horas e total chega a 137 mil