(67) 99826-0686
Gov - Agosto Lilas 09 a 24/08

Sem dinheiro pra obras, prefeitura gasta R$ 24 milhões com manutenção de ruas sem asfalto

Gasto seria anual; por mês, a manutenção varia entre R$ 1,5 a R$ 2 milhões

22 ABR 2019
Rodson Willyams
17h00min
Rua sem asfalto no bairro Jardim Panorama, em Campo Grande. Foto: André de Abreu / Arquivo

O município de Campo Grande gasta entre R$ 1,5 a R$ 2 milhões com a manutenção de mil quilômetros de ruas sem asfalto todos os meses. Das sete microrregiões, seis ainda estão à espera de pavimentação. O custo anual pode chegar a R$ 24 milhões.

As informações são do secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos, Rudi Fiorese, que aponta a falta de dinheiro pra asfaltar toda a região. "Nós não temos um projeto do todo, mas o investimento seria bastante significativo. Com os recursos próprios fica difícil de fazermos esses investimentos, então a gente precisa buscar recursos que vem de fora".

Ele explica ainda que o problema não se resolve apenas passando lama asfáltica. "Não é apenas pavimentar, isso é a parte mais barata. É fazer a drenagem e isso, em alguns casos, é bastante caro. Imagina que mil quilômetros é a distância daqui [Cidade Morena] a São Paulo".

Fiorese afirma que, atualmente, o município possui cerca de seis contratos com empresas que são responsáveis pela manutenção das ruas sem pavimentação. "O revestimento primário nas ruas não pavimentadas é caro. Nós temos seis contratos, sendo que cada um sai um duzentos e poucos mil reais. Nós gastamos entre R$ 1,5 mil a R$ 2 milhões de reais por mês".  


Secretário Rudi Fiorese durante lançamento de obras no Jardim Anache. Foto: André de Abreu.

Regiões mais sensíveis

Rudi Fiorese relaciona alguns bairros que possuem problemas mais graves com a drenagem. "Se a gente pegar a região do Aero Rancho, por exemplo, o que ficou lá sem fazer o asfalto é justamente onde a drenagem é mais complicada e mais cara de ser resolvida".

Em outro ponto da cidade, como na região do Jardim Columbia e Jardim Noroeste, as chuvas só atrapalham. "Nestas regiões, se chove, cai uma chuva mais forte, já abre uma erosão".

Ainda assim, Rudi reforça: "o município tem procurado buscar recursos de fora. Nós estamos com obras no Jardim Anache, no José Tavares. Devemos retomar as obras no mês que vem no Nasser e publicar a licitação nos próximos dias do Nova Lima, etapa B. Isto é uma luta importante para nós".

Secretário Rudi Fiorese durante lançamento de obras no Jardim Anache. Foto: André de Abreu.

Veja também