Menu
terça, 29 de setembro de 2020
Cidade Morena

Com ruas cheias de bikes elétricas, veja o que pode ou não nas vias de Campo Grande

Bicicleta mais barata custa em torno de R$ 3.800

02 junho 2019 - 18h10Por Thiago de Souza

As bicicletas elétricas invadiram as ruas de Campo Grande. Desde fevereiro deste ano, a loja mais tradicional de bicicletas contabiliza a venda de 100 unidades na Capital. Afinal de contas, é preciso ter carteira de habilitação? E aquele garoto que quer dar um rolê na bike, pode?

De acordo com o Conselho Nacional de Trânsito, o Conatran, a resolução 465 esclarece a situação das magrelas elétricas. Antigamente, esse tipo de transporte era equiparado aos ciclomotores, por isso havia necessidade de ter CNH categoria ''A'' ou autorização para conduzir os ciclomotores, a ACC.

Pode

Agora, liberou geral. Conforme a resolução, a bicicleta que tenha potência máxima de 350 Watts e velocidade máxima de 25 KM/h, livra o condutor de ter qualquer tipo de habilitação ou licença. É exigido que essas bicicletas não tenham acelerador manual e precisam ter indicador de velocidade.  

Placas

Não, não precisam. Nem pagar qualquer tipo de taxa, desde que tenham a potência máxima de 350 Watts e velocidade máxima de 25 KM/h. Também não têm necessidade de portar documentação.

Onde andar

O texto diz que em locais de circulação de pedestres, o usuário da bicicleta elétrica não pode ultrapassar os 6 Km/h. Em ciclovias ou ciclofaixas, a velocidade não pode passar dos 20 km/h.

Garotada

Menores de idade podem subir a hashtag #partiurolêdebikeelétrica. A nova resolução permite que pessoas de todas as idades pilotem as magrelas elétricas, desde que usem os equipamentos de segurança.  

Cuidados

O conselho, no entanto, é enfático quanto ao uso de equipamentos de proteção. O capacete é um dos mais importantes e obrigatório. Há também a necessidade da bicicleta ter sinalização noturna dianteira, traseira e lateral, além dos espelhos retrovisores.

O Batalhão de Trânsito informou ao TopMídiaNews que já registrou acidentes com esse tipo de veículo e também fez abordagens de orientação aos usuários.

Caiu no gosto

Em Campo Grande, a Ciclo Ribeiro, comercializa essas bicicletas apenas desde fevereiro. O modelo mais barato é da marca Souza, de cerca de R$ 3.800. A recarga dá autonomia de cerca de 30 Km ao usuário.

O proprietário, Clemêncio Ribeiro, celebra as vendas até o momento.

''A venda tá fantástica. O que tiver vende'', garantiu o empresário que afirma ainda ter muita gente interessada e que cobra o fornecedor para novas entregas. Os modelos mais caros estão na faixa de R$ 13 mil.

''Até o fim do ano espero vender mil unidades'', estimou Ribeiro. Ele garante que todas as bicicletas atendem a resolução do Contran.

 

Leia Também

8º sorteio do Nota MS Premiada acontece nesta quarta
Cidades
8º sorteio do Nota MS Premiada acontece nesta quarta
Governo de MS divulga empresa que fará projeto do acesso à ponte do rio Paraguai
Cidades
Governo de MS divulga empresa que fará projeto do acesso à ponte do rio Paraguai
Com mais de R$ 3 milhões em multas do TCE, ex-prefeita quer retomar Nioaque
Política
Com mais de R$ 3 milhões em multas do TCE, ex-prefeita quer retomar Nioaque
Maioria dos leitores acredita ser impossível retomar aulas presenciais em outubro
Cidades
Maioria dos leitores acredita ser impossível retomar aulas presenciais em outubro