Menu
Busca segunda, 21 de outubro de 2019
Top Ms
Cidade Morena

Combinado de nove meses: casal encara gestação sem saber sexo do filho e nasce o 4º Jonas

Mãe da criança afirma que sentia que esperava por um menino e conversava sempre no masculino com Jonas Gabriel

05 junho 2019 - 15h00Por Dany Nascimento

Muitos papais e mamães de primeira viagem contam os dias para saber o sexo do bebê e, logo, decorar os cômodos da casa para a chegada do herdeiro. Já no caso da jornalista Angélica Colman Rodrigues, 32 anos, e do mecânico de avião, Jonas Gabriel Nascimento Azevedo, 34 anos, a descoberta da gravidez aconteceu após oito semanas, mas saber se era uma menina ou um menino demorou nove meses.

Angélica destaca que a vontade era do marido e ela entrou na onda. “Foi engraçado quando descobri. Eu estava passando muito mal, achando que tinha algo grave e fui fazer uma série de exames. O último que eu fiz foi um ultrassom do abdômen total. Quando cheguei na sala, o médico perguntou o motivo dos exames e me disse ‘que todo mundo que vem com esses sintomas é porque está grávida. Aí eu olhei para outro lado e disse ‘Deus me livre’. Fiquei brava, aí ele começou o exame e bingo, ouvi o coração do bebê e eu já estava de dois meses.  Eu comprei uma roupa escrita eu amo o Papai e entreguei para meu esposo. Foi engraçado porque, na hora que entreguei, ele perguntou para quem que era, quem estava grávida e eu ri. Depois caiu a ficha dele”.

Atendendo ao pedido de Jonas, Angélica disse que começou a comprar roupinhas na cor neutra para o primogênito. “Foi complicado achar coisas para o bebê de cores neutras, mas no final deu certo. Foi engraçado no chá de bebê, a maioria dos convidados acharam que faríamos um chá revelação”.

Antes mesmo da chegada do pequeno, a mãe afirma que já sentia que vinha um menino, tanto que conversava com o marido optando por três nomes, dois masculinos e apenas um feminino. “Minha intuição e coração falavam que era um menino, então eu sempre falava no masculino, e como ele não mexia muito, só pela manhã, eu me continha e ficava na minha. Quem me conhece sabe que sou curiosa, mas dessa vez eu entrei na do meu esposo. Foi massa, todo mundo queria saber e nós dizendo não, só no nascimento.  Os nomes escolhidos eram Jonas Gabriel, Benjamin e Maria Eduarda”.

Encarando um parto complicado, Angélica afirma que não teve oportunidade de tocar o filho segundos depois do nascimento, mas só de ver a comemoração do marido, ficou encantada. “Eu lembro da vibração do meu esposo quando ele nasceu, foi lindo de ver. Ah, foi lindo, quando eu vi aquele rostinho lindo, pensei 'Obrigada Deus, apenas Obrigada'. Como fiz cesariana, eu vi ele na sala de observação, ali mesmo amamentei com a ajuda do meu esposo”.

Mesmo tendo sempre o sonho de ter uma filha com o nome de Maria Eduarda, Angélica diz que sempre conversou com a barriga sabendo que teria um menino. “Na família do meu esposo tem três Jonas, Jonas tio, Jonas Eduardo que é primo e Jonas Gabriel, meu esposo. Meu esposo tinha vontade de colocar o Jonas no nome do filho, aí acabou que ficou o nome dele mesmo, mas não tem nem filho e nem Junior no final’.

Ao falar da vida de ser mãe pela primeira vez, Colman diz que ganha muito apoio da família. “Meus dias ainda estão tranquilos porque minha mãe e irmãs estão me ajudando, vou ver na hora que elas não virão mais, aí o bicho vai pegar (risos)”.