(67) 99826-0686
REFIS FEV.

Um dos símbolos de Campo Grande, Comunidade Tia Eva cobra lazer e segurança

Moradores afirmam que políticos só aparececem agora, no período eleitoral

18 SET 2016
Dany Nascimento
11h30min
Foto: André de Abreu
IPVA GOV

Em meio a campanha eleitoral, onde diversas promessas são feitas pelos políticos que buscam angariar votos até o dia 2 de outubro, a população destaca que perdeu as esperanças após ouvir tantas promessas que não são colocadas em prática após as eleições. Na comunidade Tia Eva, o cenário se repete e as pessoas se classificam como desesperançosas quando o assunto melhoria. A comunidade é um dos símbolos de Campo Grande.

A cabeleireira Priscila Bento da Silva, 28 anos,  afirma que tem quatro filhos e destaca que a região não possui uma praça ou parque que ofereça lazer para as crianças."A região poderia estar melhor desenvolvida, mas não temos uma praça para as crianças brincarem. Eu tenho quatro filhos, eles se dividem brincando no quintal de casa, no quintal da avó, na rua, porque não temos um espaço para oferecer lazer a eles. Você vê muitas crianças na comunidade sem ter onde brincar", afirma a cabeleireira.

Priscila destaca que mora na região desde que nasceu e ressalta ainda a falta de segurança pública, já que o local conta apenas com o apoio do posto policial da região do bairro Coophasul, que segundo a cabeleireira, é acionado e demora a chegar para prestar o serviço devido a distância entre os bairros.

"Além da questão da falta de lazer, nos deparamos também com a falta de segurança pública. Dependemos do posto policial do bairro Coophasul, que muitas vezes não tem viatura disponível e quando tem, demora para chegar quando acionada. Seria necessário ter a polícia mais próximo da comunidade", afirma Priscila.

Assim como a cabeleireira, Luzia de Arruma da Silva, 75 anos, que reside na comunidade desde o nascimento destaca que concorda com as reivindicações de que o local necessita ter a polícia mais próxima e afirma ainda, que na hora de brincar, as crianças acabam 'pintando e bordando' na casa dos avós devido a falta de lazer da comunidade.

"Contamos com a polícia de outra região, se for algo urgente, acaba que não temos o que fazer porque vai demorar muito para chegar a polícia aqui. Essa falta de lazer, de uma praça com brinquedos para as crianças tira o nosso juízo, porque é o dia todo essas crianças correndo pelo quintal, de um lado para o outro, sem ter onde brincar", diz a aposentada.

Conhecido por ser o 'porta voz' da comunidade, Sergio Antônio da Silva, mais conhecido na região como "Seu Michel", garante que durante campanha eleitoral, muitos políticos prometem trazer o lazer para a região, mas durante o mandato parlamentar, não cumprem as promessas feitas para a população.


"Eles prometem que vão construir praça, que vão trazer o lazer para as crianças, mas no final, nada é feito e continuamos aqui. Área nós temos, falta realmente a vontade de fazer, a vontade de trazer isso para a comunidade", diz Michel.

De acordo com 'Seu Michel', a região conta com Ceinf e escola e necessita de um local de lazer para as crianças, que muitas vezes, brincam na rua, mesmo correndo risco com a passagem de veículos. "As crianças brincam na rua, se tiver uma praça, todas vão querer ficar brincando lá".

 

  

Veja também