Menu
domingo, 27 de setembro de 2020
Cidade Morena

Contra aumentos nas contas de energia, movimento recolhe assinaturas em Campo Grande

O grupo pretende elaborar um documento que será entregue a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), serão distribuídos adesivos da campanha contra os aumentos

03 fevereiro 2019 - 16h35Por Nathalia Pelzl

Acontece neste domingo (3) em Campo Grande, o movimento popular “Energia Cara Não”, o objetivo é o recolhimento de assinaturas para um abaixo-assinado contra o aumento nas contas de energia elétrica praticados pela Energisa na Capital.

O grupo pretende elaborar um documento que será entregue a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), serão distribuídos adesivos da campanha contra os aumentos.  A mobilização deve ocorrer em mais 20 cidades do Estado.

A mobilização deve ter início às 17h, na Avenida Afonso Pena, próximo à casa do Papai Noel, na cidade do Natal.

Questionada, a Energisa justificou, em nota, que as altas temperaturas registradas em Mato Grosso do Sul, principalmente no último mês de dezembro, causaram elevação do consumo de energia dos clientes, já que essa alteração que está sendo percebida nas contas de luz do mês de janeiro é referente ao período de dezembro. Além do fato citado anteriormente, o recesso escolar naturalmente já provoca aumento de consumo quando se refere a instalações residenciais.

(RepórterTop)

Leia Também

Brasil registra 869 novas mortes nas últimas 24 horas
CORONAVÍRUS
Brasil registra 869 novas mortes nas últimas 24 horas
Primeiro castramóvel chega em janeiro e vai atender bairros mais vulneráveis em Campo Grande
Cidade Morena
Primeiro castramóvel chega em janeiro e vai atender bairros mais vulneráveis em Campo Grande
Em dois anos, MS ganha 54 mil eleitores e mulheres definem eleição
Cidade Morena
Em dois anos, MS ganha 54 mil eleitores e mulheres definem eleição
Bebê com atrofia muscular morre após campanha para importar remédio de cerca de R$ 11 milhões
Geral
Bebê com atrofia muscular morre após campanha para importar remédio de cerca de R$ 11 milhões