Menu
segunda, 26 de julho de 2021
PMCG REFIS 16 A 29/07
Cidade Morena

Desenho de cientista mulher emociona professora e mostra sonho de igualdade nas profissões

Atividade em escola de Campo Grande incentivou conversa com crianças sobre a importância da representatividade

22 fevereiro 2019 - 19h00Por Amanda Amaral

O que era para ser uma simples atividade de desenho em sala de aula se transformou em momentos de reflexão entre a professora de ciências Ana Oliveira e seus alunos em Campo Grande. A ideia era ver como as crianças enxergavam a representação de um profissional cientista, que normalmente aparece na figura masculina.

A atividade foi proposta em duas escolas estaduais que leciona, Maestro Frederico Liebermann e João Carlos Flores. Se trata de uma experiência em que a professora leva quase como uma estatística da representatividade no imaginário coletivo, e que abre para conversas sobre o assunto com as crianças que têm entre 10 e 12 anos de idade.

“A atividade foi para iniciar o ano letivo, para que os estudantes possam pensar como e o que é a Ciência e como são os cientistas. Tem o objetivo de popularizar a ciência e despertar nos estudantes o interesse pela ciência. Já desenvolvi esta mesma atividade com adultos e o resultado é parecido, escrevi um artigo na época. Fiz em três salas a mesma atividade e, em todas, apenas dois ou três estudantes desenharam a mulher”, conta.

Ana busca despertar essa consciência nos alunos e propõe ainda um exercício de discutir sobre todos os papeis ocupados na sociedade, não somente os que a mulher não aparece no senso comum. Outro fator que é observado pela professora é o racismo, ainda que de forma inconsciente, sem maldade na cabeça das crianças.

“A maioria representa o que vê em desenhos ou filmes e geralmente são homens mesmo. Um dos objetivos desta atividade é justamente discutir porque temos um modelo pronto de cientista. Não aparecem negros, por exemplo”, conta.

A preocupação para que estes postos na ciência sejam ocupados também por mulheres já foi, inclusive, tema de pesquisa pela Organização Internacional do Trabalho (OIT). Conforme o órgão, mulheres e meninas correm o risco de ficar para trás nas áreas científicas e tecnológicas, caso os países não ponham em prática medidas que incentivem essa participação.

Na sala de aula, na Capital de Mato Grosso do Sul, Ana cumpre seu papel e orgulha-se em publicação em rede social. “Quando você pede aos seus alunos (crianças) para desenharem um cientista... e aparece uma mulher”.

Leia Também

Frente fria que vai deixar MS com 1°C será mais duradoura que as anteriores
Cidades
Frente fria que vai deixar MS com 1°C será mais duradoura que as anteriores
Autor de assassinato de PM da reserva em MS conhecia rotina da vítima
Polícia
Autor de assassinato de PM da reserva em MS conhecia rotina da vítima
Volta às aulas é marcada por nenhum caso de suspeita de covid em Campo Grande
Cidade Morena
Volta às aulas é marcada por nenhum caso de suspeita de covid em Campo Grande
Geral
INFORME PUBLICITÁRIO