TJMS SETEMBRO e outubro
Menu
quinta, 21 de outubro de 2021 Campo Grande/MS
senar 18/10 a 21/10
Campo Grande

Empresa do escândalo Gisa tem 10 dias para prestar esclarecimentos para a prefeitura

Programa nunca implantado deixou prejuízo de mais de R$ 14,8 milhões para o município

12 novembro 2016 - 15h00Por Diana Christie

A Sesau (Secretaria Municipal de Saúde Pública) notificou a empresa Telemídia & Technology Internacional Comércio e Serviços de Informática Ltda para apresentar defesa escrita em até dez dias em sindicância que apura descumprimento de contrato com a prefeitura de Campo Grande.

A Telemídia é responsável pela instalação do sistema Gisa, programa que deveria permitir o agendamento de consultas médicas do SUS (Sistema Único de Saúde) por telefone. Deixando prejuízo de mais de R$ 14,8 milhões para o município, a empresa nunca completou o serviço e ‘desapareceu’ do mapa.

De acordo o MPF (Ministério Público Federal), todo o processo de contratação foi permeado de irregularidades. Meses antes da formalização da subcontratação ilegal do serviço da Telemídia, o então secretário de Saúde, Luiz Henrique Mandetta, inclusive, visitou a sede da empresa em Portugal, com a viagem internacional paga pela própria Telemídia.

A empresa vencedora ainda teve acesso às regras da licitação - e se adaptou a elas – antes do edital ser publicado. Após a publicação do certame, cláusulas restritivas limitaram a concorrência e direcionaram a licitação à empresa Telemídia, que, mesmo sem preencher requisitos mínimos e após apresentar documentos falsos, assinou o contrato com o município.

As investigações revelaram também que o consórcio liderado pela Telemídia foi criado “única e exclusivamente” para vencer a licitação e subcontratar os serviços à empresa portuguesa Alert – terceirização proibida pelo edital da licitação. “A fraude foi toda arquitetada para que a Alert executasse o trabalho, ainda que de forma ilegal”, argumentou a Procuradoria.

Se a licitação e a execução do contrato foram permeadas de ilegalidades, a falta de fiscalização também causou graves prejuízos aos cofres públicos. O MPF afirmou que R$ 3.466.663,42 foram pagos sem qualquer documento certificador da execução dos serviços e R$ 713.317,17 foram faturados em valor acima do previsto no orçamento da licitação.

Com prazo de 10 dias para responder à sindicância, a Telemídia deve encaminhar resposta à Assessoria Jurídica da Sesau. Para a empresa, fica “facultado solicitar a produção das provas que julgar necessárias”. Assina o edital, publicado no Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande) nesta sexta-feira (11), o atual secretário de Saúde do município, Ivandro Fonseca.

Leia Também

Erosão no Nova Lima é problema constante e até ferro é inimigo dos motoristas
Campo Grande
Erosão no Nova Lima é problema constante e até ferro é inimigo dos motoristas
Padrasto de garoto que prometeu massacre em escola é preso com arma ilegal em Coxim
Interior
Padrasto de garoto que prometeu massacre em escola é preso com arma ilegal em Coxim
Latam suspende transporte de animais após cachorro morrer asfixiado
Geral
Latam suspende transporte de animais após cachorro morrer asfixiado
Só dois deputados federais de MS afirmaram tomar vacina contra covid
Política
Só dois deputados federais de MS afirmaram tomar vacina contra covid