Menu
quarta, 30 de setembro de 2020
Cidade Morena

Encenação com método de tortura marca protesto contra golpe de 64 em Campo Grande

Na Afonso Pena, cerca de 100 pessoas se manifestam contra a ditadura militar no país

01 abril 2019 - 18h53Por Amanda Amaral

No dia em que há 55 anos se instaurava o comando militar no governo brasileiro, em uma intervenção que durou 21 anos, cerca de uma centena de pessoas se reuniu em Campo Grande para se manifestar contra a tortura e falta de liberdade da época. O encontro aconteceu nesta segunda-feira (1º) em frente a sede do Ministério Público Federal, na Avenida Afonso pena.

Com direito a performance do Grupo Colisão sobre o pau-de-arara, método de tortura utilizado pelos militares, a intenção era lembrar dos horrores daquele tempo. Uma carta pública assinada por quase 50 entidades em repúdio à ditadura militar foi lida aos presentes, também entregue ao MPF e à OAB-MS (Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Mato Grosso do Sul). 

O sociólogo e professor Paulo Cabral falou ao microfone sobre suas lembranças vívidas da época. “Todos que eram taxados de subversivos sumiam ou morriam. Vivi de perto o sumiço de um companheiro, Abilio Clemente Filho, em 1971, negro e pobre, o primeiro de sua família a entrar na universidade. Até hoje essa dor não passa, é corrosiva. Em memória das vítimas e para que as novas gerações não vivam o horror de uma ditadura, protestamos”, diz, emocionado.

Políticos também compareceram, mas o protesto acontecia de maneira pacífica e com poucas bandeiras partidárias. O deputado federal Dagoberto Nogueira (PDT) relembrou que viu de perto o que chamou de ‘autoritarismo antidemocrático’.


“Pra mim, quem apoia uma coisa dessas é doente, é um comportamento doentio e de desinformação crônica, geralmente vindo de pessoas frustradas e violentas. Quando eu era da Une (União Nacional dos Estudantes), levei com colegas jatos d’água, simplesmente por questionar algumas coisas. É um equívoco enorme querer celebrar uma época como essa”, diz.

O deputado estadual Pedro Kemp (PT) também classifica como ‘absurdas’ as recentes homenagens ao período, como o realizado no mesmo local neste domingo (31), que reuniu cerca de 30 pessoas. “Cresceu o ódio, a intolerância, as pessoas ao invés de buscarem soluções pro país escolhem o radicalismo. Se deixarmos isso crescer, é o fim da democracia, precisamos nos impor sobre intimidações e lembrar, para não repetir essa história triste do país”, afirma o deputado.

Presidente do Centro de Defesa de Direitos Humanos Marçal de Souza e do movimento Juristas pela Democracia, João Vitor Cyrino diz que é um momento de extrema importância para que seja retomada a aproximação da população para a política. “Vivemos essa dicotomia severa de valores, que tratam uma ditadura como salvação e contra a esquerda, o comunismo, sendo que até o PMDB, Ulysses Guimarães, eram contra a intervenção militar”, analisa.

Leia Também

Ao contrário do esperado, fronteira teve apenas alguns pontos reabertos
Cidades
Ao contrário do esperado, fronteira teve apenas alguns pontos reabertos
Ministério da Agricultura vai investigar 'sementes misteriosas' vindas da China
Geral
Ministério da Agricultura vai investigar 'sementes misteriosas' vindas da China
Corrupção: vice toma posse após prefeito ser cassado pela Câmara de Bandeirantes
Política
Corrupção: vice toma posse após prefeito ser cassado pela Câmara de Bandeirantes
Com cachorro no colo, Bolsonaro sanciona pena maior para maus-tratos a animais
Geral
Com cachorro no colo, Bolsonaro sanciona pena maior para maus-tratos a animais