Menu
Busca quarta, 23 de outubro de 2019
Top Ms
Cidade Morena

Mãe acusa médica de quebrar clavícula de bebê em parto; Santa Casa descarta erro

O alerta, diz Milena Tamires, é para que mães não passem por esse sofrimento

03 outubro 2019 - 11h10Por Thiago de Souza

Milena Tamires, 21 anos, denunciou que seu bebê teve a clavícula quebrada durante parto normal, ocorrido há oito dias, na Santa Casa de Campo Grande. Ela diz ainda que a criança teve a cabeça machucada, mas que os ferimentos poderiam ser evitados. A Santa Casa descartou erro no procedimento, mas admite a fratura no ombrinho do bebê.

Conforme a mãe, o parto foi feito por uma médica residente, que não teria tido o cuidado necessário, já que o menino nasceu com 54 centímetros e com 4,38 kg. Ela observa que a profissional poderia ter usado outra técnica, como o uso do ferro - conhecido como fórceps ou um parto cesárea.

''Mas ela [a médica] foi com a mão mesmo. Apertou a cabeça dele e deu esse negócio todo'', desabafa Milena.

Área destacada na foto seria uma lesão na nuca do bebê. (Foto: Repórter Top)

O bebê é o quarto filho da jovem, que mora no Jardim Centro Oeste, em Campo Grande. Milena reclama do tratamento dado a ela no hospital, já que o alerta sobre a fratura só veio poucas horas antes dela receber alta.

''...a pediatra que estava atendendo pediu 'raio X', mas não falou sobre o que era. Depois, no outro dia, foi uma outra médica, do Hospital Universitário, falar que o bebê estava com a clavícula quebrada'', reclama a jovem.

Assim que se recuperar, Tamires promete acionar a Justiça para reparação dos danos causados ao filho. Com isso, Milena diz que faz um alerta para outras mães e ao hospital.

''É para que outras mães não passem por isso que eu estou passando'', finaliza Milena.

Outra versão

A Santa Casa, por meio da assessoria, informou que o parto foi normal e que não havia nenhum sintoma que gerasse desconfiança para a equipe médica. O hospital destacou que ''por ser a 4ª gestação da paciente e fato do bebê ser maior, foram usadas manobras protocolares que cabem em qualquer parto normal e sendo em tempo adequado, rápido, sem qualquer necessidade de cesariana ou uso de ''ferro'' (fórceps). Se tais condutas fossem tomadas, colocaria mãe e bebê desnecessariamente em risco''.

Ainda conforme o hospital, a criança nasceu em boas condições, a não ser uma mancha no rosto, que pode ocorrer com qualquer recém-nascido, porém mais comum em crianças grandes e que desaparece espontaneamente.

''Já no segundo dia, quase não havia manchas visíveis no rosto da criança e foi descartada qualquer lesão na cabeça do bebê'', destacou  a assessoria.

Fratura foi confirmada pelo hospital. (Foto: Repórter Top)

Sobre a fratura na clavícula, a Santa Casa disse que o problema foi identificado no 1º dia após o parto e que o hospital encaminhou a mãe e o bebê para tratamento específico, que é feito no HU.

''Portanto, não há qualquer evidência de erro no atendimento prestado à referida paciente e seu recém-nascido. Embora, seja situação desagradável e que gera transtornos, o evento apontado é fato fortuito, bem estabelecido na literatura e com estatística relevante na prática obstétrica, não configurando, desta forma, má assistência ou ato violento'', finaliza a Santa Casa.