TCE ABRIL 16 A 22/04
Menu
segunda, 19 de abril de 2021
Cidade Morena

Mãe sai do Rio de Janeiro e tenta encontrar as filhas em MS

As crianças estariam em Campo Grande, mas a família do pai não autoriza a mulher a ver as filhas

28 fevereiro 2021 - 12h22Por Dany Nascimento

Uma terapeuta de 35 anos, que terá o nome preservado, pede ajuda da população para localizar as duas filhas, uma menina de 10 anos e outra de sete anos, que residem no Rio de Janeiro, mas estariam em Campo Grande após uma viagem com o pai. 

De acordo com a mãe, o ex-casal possui guarda compartilhada, mas o genitor trouxe as filhas para Mato Grosso do Sul de forma ilegal. 

“A avó pegou elas dia 14 de janeiro porque o pai não pode se aproximar porque tenho medidas protetivas. Disseram que iam passar as férias em Teresópolis. Desde dia 14 não tive notícias, esperei que ia levar dia 1º fevereiro, minha advogada começou a mexer no Fórum porque temos acordo de guarda, ela entrou com descumprimento do mandado saiu dia 24. Um dia antes, a mãe dele falou para minha mãe que ele estava em Campo Grande, internado no Hospital Regional em estado grave com Covid”, diz a mulher. 

Desesperada, a terapeuta tentou contato com a ex-cunhada. “A irmã dele estava com as meninas, ela deixou eu falar com as crianças, mas ficou filmando minhas filhas. Ela disse que como não sou da família, eu não teria notícias do pai delas, que estava internado. Como eu entrei na justiça procurando as minhas filhas, ela falou que não íamos resolver da melhor forma e não deixou mais eu falar com as meninas, parou de me atender”.

A mãe agora está em Campo Grande e contratou uma nova advogada para conseguir saber o paradeiro das filhas. 

“Eu tenho uma advogada no Rio de Janeiro e outra aqui. Fomos no endereço que tinha no hospital do pai, não tinha ninguém. Fomos na delegacia, estamos registrando todo o ocorrido. A Justiça do Rio autorizou a busca e apreensão. O oficial de justiça ligou e intimou por telefone, mas ninguém ainda respondeu”, diz a mãe.  

Ela explica que na delegacia, já houve pedido de quebra de sigilo dos telefones celulares dos familiares, para descobrir onde as crianças estão.