Menu
sábado, 26 de setembro de 2020
Cidade Morena

Briga por exibição de filme sobre ditadura na UFMS vira confronto entre MBL e DCE

MBL acusa DCE de tramar contra Turine; entidade rebate que 'jamais usaria factóide para atingir seus objetivos'

09 abril 2019 - 15h54Por Thiago de Souza

Membros do MBL (Movimento Brasil Livre) em Mato Grosso do Sul acusam o Conselho Estudantil da UFMS de usar o nome do reitor da instituição, Marcelo Turine, para tentar impedir a exibição do documentário ''1964: o Brasil entre armas e livros". A estratégia seria associar o nome do dirigente ao filme para que ele impedisse a veiculação do material na universidade.

Na página do MBL-MS, no Facebook, há um post com print [cópia] da conversa que seria de membros do Conselho Estudantil. ''Arruma um jornal para associar o Turine e a UFMS a esse filme passando dentro dela pro cê ver se o Turine não cancela na hora kkk'' [sic].

Neste caso, segundo a denúncia, o objetivo seria mostrar que o reitor e a instituição estariam a favor de um filme que faz apologia ao golpe militar de 1964.

Sobre o episódio, o MBL assim se pronunciou em seu perfil:

''Turine é o reitor da Universidade Federal, segundo os 'jênios' defensores e guardiões da democracia, insinuar que o reitor está por trás da transmissão do documentário '1964, O Brasil entre armas e livros', do Brasil Paralelo', através da mídia o faria cancelar o evento''. 

''É dessa forma que eles [estudantes de esquerda] agem, na mentira, na calúnia, eles odeiam o pluralismo de idéias e pensamentos, são sórdidos e democracia para eles, somente a do pensamento único'' [sic], diz a publicação.

Questionado pelo TopMídiaNews, o Conselho Estudantil da UFMS prometeu verificar se houve a conversa conforme denunciado pelo MBL regional.

Ainda, pelo Facebook, o conselho respondeu da seguinte forma:

''Essa nunca foi e nunca será a posição do DCE, pois prezamos sempre pela clareza e a verdade. Jamais usaríamos de um factoide para atingir um objetivo''.

Ainda de acordo com o DCE, que representa os conselhos de base da instituição, não foi o professor Turine que proibiu  a exibição do material.

''Foi o PET [Programa de Educação Tutorial] Química que proibiu associar o nome do programa ao filme. E ainda criticou a militância direitista: ''O MBL é o pai da fake news''.

A UFMS informou que não foi realizado nenhum agendamento do evento em suas dependências, assim como não houve nenhum envolvimento institucional para sua organização.

“Censura”

O filme "1964: O Brasil entre armas e livros", feito pela produtora Brasil Paralelo, estreou nos cinemas no dia 31 de março, data de início do golpe militar daquele ano. No entanto, um dia depois, a rede Cinemark vetou a exibição do material, alegando que ele seria de cunho político-partidário.

Apesar da intensa mobilização a favor da exibição, a empresa cancelou a parceria que havia feito com a produtora.

No dia seguinte, a produtora Brasil Paralelo disponibilizou o material pela internet. Somente nas 15 primeiras horas, houve 1,5 milhão de visualizações do documentário.

O filme se propõe a trazer uma versão do que considera ''alternativa'' àquilo que se costuma aprender na escola e nas universidades. 

Leia Também

Brasil registra 869 novas mortes nas últimas 24 horas
CORONAVÍRUS
Brasil registra 869 novas mortes nas últimas 24 horas
Primeiro castramóvel chega em janeiro e vai atender bairros mais vulneráveis em Campo Grande
Cidade Morena
Primeiro castramóvel chega em janeiro e vai atender bairros mais vulneráveis em Campo Grande
Em dois anos, MS ganha 54 mil eleitores e mulheres definem eleição
Cidade Morena
Em dois anos, MS ganha 54 mil eleitores e mulheres definem eleição
Bebê com atrofia muscular morre após campanha para importar remédio de cerca de R$ 11 milhões
Geral
Bebê com atrofia muscular morre após campanha para importar remédio de cerca de R$ 11 milhões