Menu
quinta, 25 de fevereiro de 2021
Cidade Morena

Prefeitura amplia serviços de acolhimento e reforma unidades do Cras em Campo Grande

Medida vai proporcionar agilidade no atendimento aos grupos vulneráveis

27 janeiro 2021 - 15h18Por Thiago de Souza

A prefeitura elencou uma série de ações para ampliar os serviços de acolhimento de grupos vulneráveis em 2021, em Campo Grande. A medida vai propiciar atendimento mais ágil na área da assistência social. 

O bairro Tiradentes, segundo a prefeitura, será palco de mais uma unidade de acolhimento institucional, semelhante ao Cetremi. Nesse espaço, haverá encaminhamento da população em situação de rua (CETREMI), ambos com capacidade de atendimento de até 100 pessoas. Os acolhimentos contam com atendimento psicossocial, acesso a documentação, concessão de passagem mediante estudo social técnico, higienização, dormitórios, quatro refeições diárias, além de proporcionar resgate da autoestima, da autonomia e da perspectiva da transformação social do sujeito.

A cidade também vai ganhar mais uma unidade de acolhimento à Pessoa com Deficiência, chamada de Residência Inclusiva. O espaço terá capacidade para dez pessoas portadoras de deficiência, com idade de 18 a 59 anos. 

Ainda segundo reportado pela prefeitura, a população também contará com maior agilidade no atendimento às pessoas em situação de vulnerabilidade social, com a implementação do Centro do Cadastro Único, melhorando e otimizando a oferta do serviço no local, que atende média de 1,7 mil famílias por mês. O espaço está recebendo melhorias, como banheiros adaptados e ampliações.

Reformas

Também serão reformados os Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) do Vila Gaúcha, Vida Nova, Guanandi, Zé Pereira e Popular. As unidades têm capacidade de atendimento de até 5 mil famílias.
Assim como ocorreu em 2020, a SAS continuará implementando cursos de capacitação e geração de renda on-line para incrementar os ganhos das famílias de baixa renda.

Desafios

Em razão da pandemia da covid-19, as equipes de assistência social do municípios reinventaram suas ações, a fim de atender a população durante o período crítico de 2020, diz a PMCG. 

Quando da chegada da covid à Capital, foram criadas três Unidades de Acolhimento a Pessoas Adultas e Famílias em situação de Rua, que funcionaram nas escolas municipais Nazira Anache, Padre Thomaz Ghirardelli e Doutor Plínio Barbosa Martins.  Mesmo transferidos para outros espaços, os atendimentos permaneceram. Juntas, as unidades atenderam mais de 1.637 pessoas, além de serem realizadas 493 reintegrações familiares e concedidas 382 passagens terrestres, viabilizando o retorno para suas cidades de origem. Ainda foram reformados o CRAS Canguru e o Centro de Convivência Botafogo.

O Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (CENTRO POP) realizou 2.233 atendimentos. As equipes do Serviço Especializado em Abordagem Social (SEAS) fizeram mais de 4.100 abordagens sociais às pessoas que se encontram nas vias públicas da capital, sendo intensificadas as buscas ativas no Antigo terminal Rodoviário e seu entorno e do Pontilhão da Avenida Manoel Inácio de Souza. Por meio do Projeto Atenda/Psicótico, parceria com a Secretaria de Saúde (SESAU), foram realizados 19 atendimentos a usuários com quadros graves e intensos de sofrimentos psíquicos.

Já no Centro DIA Para Pessoas com Deficiência e suas Famílias, os atendimentos passaram de 63 em 2019 para 85 PCDs em 2020. Com a pandemia, foram agilizadas a concessão dos benefícios eventuais de Segurança Alimentar, Auxílio Calamidade, Kit Natalidade, Auxílio Funeral e concessão de auxilio documento para cerca de 31.890 famílias.

A Tarifa Social de Energia Elétrica beneficiou 52.179 famílias. O Bolsa Família chegou a 33.548 famílias. Destas, 8.634 foram atendidas durante a pandemia com a ampliação dos canais de comunicação e oferta de informações via telefone, e-mail, entre outros, principalmente sobre Auxílio Emergencial, Programa Bolsa Família – PBF, Tarifa Social de Energia Elétrica – TSEE e BPC, possibilitando assim acesso e manutenção dos usuários a programas e benefícios de forma segura.

Ainda segundo o comunicado, as 20 unidades do CRAS atenderam, juntas, 177.479 famílias, garantindo o acesso à informação e benefícios. Foram ofertados 20 cursos de Inclusão Produtiva na modalidade on-line e presencial nas áreas de culinária, embelezamento pessoal, confecção e artesanato, totalizando 5.093 participantes. A população do Distrito de Anhanduí foi beneficiada com a reativação do Centro de Convivência, que ampliou em 30% o número de famílias atendidas.

Prêmio 

Um destaque importante em 2020 foi a conquista do Prêmio Parentalidade: Boas Práticas de Visitadores na Pandemia, que teve como objetivo identificar e destacar os profissionais e as suas boas práticas de desenvolvimento infantil, estímulo às crianças e fortalecimento familiar na primeira infância nos programas de visitação domiciliar adaptados durante o período de pandemia de Covid 19.

Organizado pela Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal e Fundação Bernad Van Leer, com o apoio do Governo Federal, o prêmio contou com pelo menos 500 inscrições e 100 práticas premiadas. Campo Grande foi contemplada por meio do visitador do Programa Criança Feliz, Valter Moreira, que se destacou pela prática do acompanhamento remoto às famílias, o qual realiza orientações e informações por meio de aplicativos de celular (grupos de WhatsApp) e/ou ligações telefônicas abordando temas de relevância, como saúde e distanciamento social; saúde emocional; saúde mental; vacinação; alimentação saudável; amamentação; jogos e brincadeiras; dicas para brincar e contar histórias; prevenção de acidentes domésticos, entre outros. Também foi feita pesquisa de satisfação com as famílias, que norteou o planejamento individual e garantiu a efetividade do acompanhamento.