Menu
quarta, 04 de agosto de 2021
Cidade Morena

Prefeitura vai reembolsar desconto em salário de grevistas, que devem repor faltas

Servidores que paralisaram trabalhos chegaram a receber pagamento de R$ 2,57

24 setembro 2016 - 17h13Por Amanda Amaral

O Sindicato de Servidores Públicos Municipais (Sisem) e a Prefeitura de Campo Grande firmaram acordo após meses de embate. Em sessão realizada no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ/MS), ficou decidido que os trabalhadores que tiveram descontos de boa parte de seus salários durante período de greve devem agora ter o valor reembolsado, mas precisam repor as horas não trabalhadas.

Segundo o processo, os servidores públicos municipais fizeram greve em razão da não negociação por aumento salarial com o Executivo Municipal. Com o corte de ponto em dias paralisados, funcionários chegaram a receber quantias como R$ 2,57 e R$ 15,14. O valor médio de desconto foi de R$ 430.

As faltas no período de greve das categorias Agente Comunitário de Saúde e Servidores Administrativos da Educação foram descontadas e foi necessária a intervenção do Poder Judiciário para resolução do conflito.  Como parte do acordo, o Sisem desistiu da ação na Justiça contra os descontos.

Os valores serão pagos em dois momentos: 50 % até o dia 17 de outubro e o restante até o dia 17 novembro. Os servidores deverão repor os dias faltosos até 20 de dezembro, em uma hora por dia.

No caso dos agentes comunitários, a reposição poderá ser feita pela participação obrigatória em ações como mutirão, campanhas, entre outras. Se não houver a reposição dos dias faltosos, haverá desconto na folha de pagamento de janeiro de 2017.

Greve

Em fevereiro, o Sisem encaminhou uma pauta de reivindicações referentes ao reajuste geral de vencimentos da data-base das diversas categorias pagas pelo município, mas alegava que não havia sido atendido. Em março, os servidores então realizaram assembleias e comunicaram as secretarias sobre as paralisações.

Diante da negociação infrutífera, os servidores públicos municipais aderiram à paralisação em abril e defendem que tudo foi feito legalmente. Segundo o Sisem, foi respeitado o princípio da continuidade dos serviços públicos e mantido o percentual de 30% de funcionários em atividade normal, estabelecendo-se um sistema de rodízio entre os grevistas.

Diante da greve, Bernal determinou que os chefes dos servidores anotassem as ‘faltas’ na folha de frequência dos mesmos, alegando que a greve era de cunho político e estava prejudicando diretamente a população. Os servidores chegaram a ser comunicados sobre os cortes, mas apenas alguns retornaram à rotina de trabalho normal.

Leia Também

Filho se mata após assassinar pais a facadas na madrugada
Polícia
Filho se mata após assassinar pais a facadas na madrugada
Carro com duas crianças tomba em acidente na Conde de Boa Vista, no Tijuca
Cidade Morena
Carro com duas crianças tomba em acidente na Conde de Boa Vista, no Tijuca
Manda Lula e Dilma pagarem: Cuba e Venezuela devem R$ 3,5 bilhões para o BNDES
Geral
Manda Lula e Dilma pagarem: Cuba e Venezuela devem R$ 3,5 bilhões para o BNDES
Kemp acusa Bolsonaro de incompetência, David compra briga e discussão pega fogo
Política
Kemp acusa Bolsonaro de incompetência, David compra briga e discussão pega fogo