Menu
Busca domingo, 15 de dezembro de 2019
Cidade Morena

Procon divulga pesquisa de preços de produtos da cesta básica e hortifruti na Capital

Objetivo é possibilitar que os consumidores possam adquirir produtos com preços mais baratos nesse momento de crise

12 julho 2019 - 09h00Por Da redação/Procon

O Procon divulgou uma pesquisa com valores de itens de primeira necessidade que integram a cesta básica e também de produtos de hortifruti em supermercados de Campo Grande. No decorrer dos trabalhos, realizados durante o mês de junho deste ano, foram visitados onze estabelecimentos para levantar as informações nos supermercados Assaí, Atacadão, Carrefour, Duarte Rede Econômica, Extra, Fort, Pires, MR Junior, Pague Poko, Lunardi, Produtor e Cooperativa Agrícola.

O superintendente do órgão, Marcelo Salomão, explica que a decisão de pesquisar os itens de primeira necessidade da cesta básica em separado foi para possibilitar que os consumidores possam adquirir produtos com preços mais baratos. “Nossa intenção é ajudar a população e facilitar que nesse momento de crise possam comprar os itens mais baratos em variados estabelecimentos”, diz.

No levantamento sobre cesta básica, o Procon comparou o valor de 27 produtos. A maior variação foi encontrada em uma marca de lata de extrato de tomate, com o preço variando 182,39% entre o valor mais baixo e o valor mais alto. Também foi encontrado pacote de 1kg de sal com variação de 175,42% e suco concentrado com 161% de variação. A menor diferença de preços foi encontrada no litro do leite que teve 29,76% entre o valor mais alto e mais baixo cobrado pelos supermercados.

Em relação aos produtos de hortifruti, o Procon comparou o valor de 59 alimentos. A maior variação foi encontrada no valor do quilo da laranja lima, com o preço variando 311,18% entre o valor mais baixo e o valor mais alto. Também foi encontrado variação de 217,78% no valor cobrado pelo maço da alface crespa e o quilo do abacaxi com 200,67% de variação.

A menor diferença de preços foi encontrada no quilo do mel de abelha in natura que teve 18,54% entre o valor mais alto e mais baixo cobrado pelos supermercados. Confira a pesquina no link.