tjms 18/01 a21/01/2021
Menu
quinta, 21 de janeiro de 2021
Covid 18/01 a 24/01
Cidade Morena

Procon-MS e Decon checam preços de materiais escolares na Capital

Oito estabelecimentos foram visitados pelas equipes;

14 janeiro 2021 - 11h53Por Rayani Santa Cruz

O Procon/MS e a Delegacia do Consumidor (Decon/MS)  realizaram, na manhã desta quinta-feira (14), uma ação conjunta em livrarias e papelarias  de Campo Grande com objetivo de  verificar os preços que estão sendo praticados na comercialização de material escolar.

Ao desenvolver os trabalhos  foram visitados oito estabelecimentos comerciais especializados. Neste momento, pais ou responsáveis por estudantes estão procurando adquirir os itens relacionados nas listas liberadas pelas  escolas particulares levando em consideração a possibilidade de início das aulas em futuro próximo.

A intervenção dos órgãos de defesa do consumidor tem  finalidade  preventiva e orientativa visando evitar que os valores praticados sejam divergentes dos que constam em pesquisa  realizada recentemente. A ideia é garantir que o consumidor  não seja prejudicado pagando mais caro do que foi declarado quando do levantamento de preços.

Ainda durante a ação, foram entregues kits contendo, entre outros documentos,  exemplar do Código de Defesa do Consumidor, placa demonstrando a sua existência e que está a disposição para consulta e coletânea de leis de  defesa do consumidor emitidas tanto pelo Estado como pelo município e demonstrativo do passo a passo para cadastramento no programa Procon Legal, Comércio Legal.

Participando da ação, a delegada do consumidor Claudia Angélica  Gerei comentou ser “interessante a realização desse tipo de intervenção para alertar o comerciante a não praticar preços abusivos, evitando causar prejuízo aos pais  que já se encontram pressionados em função da pandemia”.

Já, o  superintendente do Procon Estadual, Marcelo Salomão, orienta os pais a  se basearem nas pesquisas  realizadas e divulgadas  recentemente para terem certeza de aquisição dos materiais pelos menores preços praticados”. Salomão deixa claro que, “havendo duvidas ou caso o consumidor se sinta prejudicado nas compras”, o  caminho mais correto é procurar o Procon Estadual e  formalizar  denúncia para que sejam tomadas  providências em relação aos abusos.