(67) 99826-0686
Festival inverno 18/07 a 19/07

Sem experiência, tio foi surpreendido e ajudou Isabeli chegar ao mundo durante parto em casa

Rodrigo diz que ficou nervoso, com medo de derrubar a recém-nascida, mas mesmo assim ajudou a cunhada durante o parto

16 ABR 2019
Dany Nascimento
07h00min
Foto: Arquivo pessoal

Será que quem não é experiente em parto conseguiria ajudar na hora do apuro? O estudante Rodrigo Centurion, 27 anos, é a prova viva de que é possível colaborar com um parto normal, até a chegada de uma equipe médica. Ele conseguiu ajudar a cunhada Rosiane Romasko, 34 anos, a trazer a pequena Isabeli ao mundo e, foi nos braços dele, que a bebê deu seu primeiro suspiro.

Rosiane estava em casa, acompanhada apenas do filho de 3 anos, no bairro Colúmbia, em Campo Grande, quando entrou em trabalho de parto na tarde da última segunda-feira (8). “Minha cunhada começou a pedir socorro, dizendo que estava sangrando muito. Ela tinha ido no médico naquele dia, estava esperando um parto normal. Ela tomou remédio às 11 horas, quando foi 14h20, começou a sentir dores fortes e sangrar. Como moramos ao lado da casa dela, ligamos para o Samu e fomos até ela”.

Rodrigo relembra que, ao adentrar no imóvel, pediu para a cunhada deitar na cama, mas não houve tempo nem para isso. “Quando ela foi tentar deitar, eu vi que a bebê estava saindo, peguei um cobertor que estava na cama e consegui segurar a neném. Na hora dá muito medo de derrubar, de não conseguir segurar, mas eu consegui. Minha esposa tinha ido lá fora ver se os socorristas estavam chegando, quando voltou para dentro, a bebê já estava no meu colo. Conseguimos fazer a Rosiane deitar na cama e ela ficou melhor”.

O medo tomou conta da família, ao perceber que a pequena estava com o cordão enrolado no pescoço. “Falamos com o médico do Samu, que orientou minha esposa para desenrolar. Ela também estava nervosa, mas conseguiu desenrolar com a orientação”, conta.

A esposa do estudante ficou segurando Isabeli ao lado da cama. “Ela ficou com a bebê, daí eu fui para o lado de fora ver se estavam chegando. Eles chegaram rápido, em dez minutos, a bebê que foi muito apressada e não esperou (risos). Eles prestaram atendimento e as duas foram para o hospital”.

Veja também