(67) 99826-0686
ALMS 13/06 a 12/07

Sindicato dos vigilantes tenta cobrar ex-terceirizada do Bradesco e pode ir à Justiça por salários

Entidade demorou para encontrar uma representante da MJB em Campo Grande

15 MAI 2019
Thiago de Souza
17h15min
Foto: Google Street View

Sindicato que representa os trabalhadores em vigilância em Campo Grande alerta que pode ir à Justiça para que os profissionais recebam salários atrasados da MJB Segurança, que era a terceirizada do Bradesco em Mato Grosso do Sul.  

Conforme o presidente da entidade, Celso Adriano Gomes da Rocha, esclareceu, o sindicato acompanhou o caso desde o início, inclusive foi o Seesvig que denunciou ao detentor do contrato, o Bradesco, o atraso no pagamento.

Rocha aponta que à época, em março, a empresa atrasou salários e não cumpria acordos sobre assistência à saúde. Ainda segundo o sindicalista, o Bradesco rompeu o contrato em abril e no dia 30 do mês as atividades com a terceirizada foram interrompidas.

Sindicato e trabalhadores tiveram a promessa de que os salários e direitos trabalhistas seriam pagos até 10 de maio, algo que não ocorreu segundo eles. Celso Adriano observou que a MJB aplicou o aviso prévio retroativo para os funcionários, o que seria na visão dele uma tirada de direito do trabalhador.

O temor do Seesvig  é que, como formalmente o vínculo dos trabalhadores com a empresa não foi rompido, a terceirizada pode alegar abandono de emprego. Ele acrescenta que todos os trabalhadores que procuram a entidade são atendidos e orientados.

Celso Adriano relata que fez uma petição ao Ministério Público do Trabalho, em Campo Grande, para pedir urgência na chamada para mediação. Projeta até impetrar ação civil pública para resolver a pendência.

A preocupação é porque o sindicato, depois de dias de procura, conseguiu encontrar uma encarregada da empresa em MS, conhecida como Letícia. Ele disse que os trabalhadores a pressionaram e que ela teria prometido uma data de pagamento ''talvez'' para o dia 30.

A MJB em Cuiabá, onde fica a sede, não deu data para pagamento e se resumiu a dizer que trabalha para resolver os problemas dentro do ordenamento jurídico.

 

Veja também