TCE Novembro
TJMS DEZEMBRO
Menu
sexta, 03 de dezembro de 2021 Campo Grande/MS
CAMARA - vacinaçao
Cidades

Amor por MS: Bonito e Pantanal na rota internacional de ecoturismo

24 abril 2016 - 16h01Por Diana Christie

Quem anda no trilho é trem de ferro. Sou água que corre entre pedras: liberdade caça jeito. E se a liberdade que Manoel de Barros descreveu for se arriscar nas correntezas do Rio da Prata ou admirar o canto dos pássaros? Talvez conhecer novos sabores, cheiros, sensações e cores? Explorar a gruta do Lago Azul?

Com tantas belezas pouco exploradas, Bonito e Pantanal não inspiram só poesia, mas também contato com a natureza, tranquilidade, esportes e também aventura. Exótica, exuberante e encantadora, assim a região tem potencial para colocar Mato Grosso do Sul na rota do ecoturismo internacional.

Com este objetivo, a Adventure Week Pantanal & Bonito reuniu 15 operadoras internacionais de turismo, 20 agências nacionais, jornalistas e guias turísticos de vários lugares do planeta em apenas um evento para tratar de ecologia, viagens e, principalmente, negócios. A proposta comum foi: ‘como atrair estrangeiros para esse pedacinho do céu em MS?’.

Pela primeira vez no Brasil, o evento realizado entre 9 e 15 de abril, trouxe representantes da Adventure Travel Trade Association (ATTA), operadora com mais de 90 países associados, para realizar um tour pelos principais roteiros turísticos de Bonito e do Pantanal corumbaense, com direito a um minicruzeiro em águas pluviais.

Acompanhados de cinco jornalistas, da França, Itália, México, Estados Unidos e África do Sul, os empresários foram apresentados ao melhor da cultura local e registraram cada momento em imagens. O acervo de fotos e vídeos captados deverá compor material publicitário dos municípios que, posteriormente, será usado como vitrine do roteiro turístico para o mundo.

Foto: Jornal do Ônibus

É o que explica Luiz Ricardo Rocha, secretário-executivo da Fundação de Turismo de Corumbá. “Bonito está a três anos captando esse evento e, no ano passado, convidou Corumbá. Foi uma coincidência com as Olimpíadas, mas não esperamos resultados agora. É uma regra de mercado, nada é imediato. A média de retorno é de um ano até três”, complementa.

Segundo a secretária de Turismo de Bonito, Juliane Salvadori, a prefeitura também aproveitou o momento para realizar um seminário sobre ecoturismo, em que participaram agentes de viagem e guias de turismo de todo o país. Além de técnicas de vendas, foram apresentadas peculiaridades dos destinos sul-mato-grossenses.

Para o presidente da ATTA, Shannon Stowell, o sucesso do empreendimento é decorrente da cooperação entre o governo, empresas e Ongs (Organizações Não-Governamentais). De acordo com ele, a expectativa é levar o nome de Mato Grosso do Sul para os 22 mil turistas de aventura filiados à rede e ampliar a venda de pacotes brasileiros já para os próximos seis meses.

José Perié - Foto: Cezar/BonitoMundo 

Pacotes de viagem

De Curitiba, o agenciador de viagens José Perié explica que a iniciativa da Adventure Week Pantanal & Bonito facilita na montagem de pacotes, que devem ser personalizado conforme os gostos e interesses pessoais do cliente e as opções de lazer do local. Por exemplo, alguns passeios só devem ser oferecidos a pessoas mais dispostas a fazer atividades que demandam esforço físico.

“Precisamos ensinar a vender o destino de forma adequada para que o passageiro saiba o que ele quer fazer. Não pode chegar aqui [em Bonito] e ficar apenas algumas horas. É uma viagem para ficar, no mínimo, três noites”, informa.

De acordo com ele, a cidade atrai muitos turistas interessados em conhecer as grutas, fazer flutuações, passear pelas fazendas e visitar o buraco das araras, mas é muito pouco conhecido no exterior pela falta de divulgação. Quando estrangeiros pensam em ecoturismo no Brasil, os principais destinos se concentram na Amazônia e em Foz do Iguaçu, no Paraná.

Vice-presidente nacional da Abav (Associação Brasileira de Agentes de Viagens), Ney Gonçalves destaca que a cidade de Bonito é o carro-chefe em turismo de Mato Grosso do Sul, mas é menos conhecido que o Pantanal, por exemplo. O principal mercado para ecoturismo na região, segundo ele, está na Alemanha, Estados Unidos, Paraguai, Bolívia e alguns países europeus e asiáticos, como os japoneses, que se adaptam melhor ao clima local.

Seminário - Foto: Cezar/BonitoMundo 

Estrutura

Segundo o presidente do Bonito Convention & Visitors Bureau, Rodrigo Coinete, a crise econômica do país proporcionou a redução de 25% nos preços de pacotes para o Brasil, que deve ser explorado nas próximas vendas. Somente em Bonito, são pelo menos 80 hotéis cadastrados e mais de 40 atrativos para amantes do ecoturismo.

Para a captação da Adventure Week , realizada pela primeira vez no Brasil, o município investiu cerca de R$ 147 mil. “Nós precisamos fortalecer a promoção internacional do turismo de Mato Grosso do Sul. Vamos monitorar os participantes por um ano para ver o resultado, se eles estão vendendo o destino lá fora”, revela Rodrigo.

Dados do Observatório de Turismo do município revelam que 204 mil pessoas passaram por Bonito em 2015, sendo que 70 mil visitaram a gruta do Lago Azul. Os principais roteiros incluem ainda passeios pelo Rio da Prata e pela Estância da Prata, procurados com frequência por paulistas, alemães e norte-americanos.

 Lejane Ribeiro - Foto: Cezar/BonitoMundo 

Aproveitando a integração entre as agências de viagem, a secretária de turismo de Aquidauana, Lejane Ribeiro Malheiros, conta que planeja, inclusive, estender o tour de turistas brasileiros e estrangeiros pelo pantanal do município, que tem muito a acrescentar, especialmente quanto ao roteiro gastronômico.

Conforme ela, entre as comidas típicas que não podem faltar está o feijão tropeiro, a sopa paraguaia e o charque. São diversos hotéis, com uma média de 35 a 50 leitos, para atender os turistas. Lejane ainda destaca que a maioria dos locais possui guias tipicamente pantaneiros, que podem oferecer uma experiência cultural autêntica aos visitantes.

Epidemais

Nem mesmo os recentes surtos de doenças como o zika vírus, que pode causar microcefalia em bebês, dengue e chikungunya, desanimam os organizadores do evento internacional. O prefeito de Bonito, Leleco Brito, destaca que o resultado da promoção do turismo local deve se dar em até três anos, sendo que o município não poderia deixar a oportunidade passar.

“Nossa maior preocupação no momento é com o H1N1 (conhecido como gripe suína), mas estamos fazendo o nosso trabalho de dia-a-dia para conter as endemias. A propaganda negativa é muito forte, então deixamos isso para os outros. Importante é mostrar a inovação e Bonito sempre puxa o setor”, garante.

Foto: Cezar/BonitoMundo 

Leleco então aproveita para lançar o ‘BonitoZap’,  um canal de comunicação para responder a dúvidas de turistas pelo aplicativo WhatsApp. Elaborado por um técnico da secretaria de turismo, o perfil da cidade alimentará um banco de dados com as perguntas recebidas para melhorar o atendimento na região. O serviço será oferecido pelo telefone +55 (67) 8469-9832.

Para completar, Nelson Cintra, presidente da Fundtur (Fundação de Turismo de Mato Grosso do Sul), revela que busca novos parceiras com companhias aéreas. “As linhas aéreas são o maior gargalo do país de modo geral. Reduzimos o ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) do querosene e estamos avaliando mais um voo da Azul para Bonito, podendo até ser diário”, ressalta.