(67) 99826-0686

As pessoas fazem sexo ou é só meme? Campo-grandenses opinam sobre assunto

Galera defende que correria do serviço, afazeres domésticos e dificuldades financeiras afastam as pessoas

8 JUN 2019
Nathalia Pelzl
18h10min
Foto: Wesley Ortiz

Correria no serviço, chegar em casa e ter afazeres domésticos, tudo isso pode ser um fator negativo para os relacionamentos conjugais, considerando um estudo que aponta que as pessoas estão fazendo menos sexo.

A pesquisa foi realizada pelo National Opinion Research Center, da Universidade de Chicago, nos EUA, onde milhares de pessoas são entrevistadas sobre assuntos variados, entre eles comportamento.

Dados recentes apontam que pelo menos 23% das pessoas não tiveram relações sexuais, no último ano, o dobro do registrado há 10 anos. A pesquisa mostra ainda que os homens estão fazendo menos sexo que as mulheres.

A equipe do TopMídiaNews foi às ruas de Campo Grande para saber, afinal, estamos fazendo menos sexo? Uma das entrevistadas, de 33 anos, acredita que sim, todos estão fazendo menos sexo, em especial os homens devido ao fator financeiro.

A atendente Ana Carolina Ferreira, de 37 anos, é casada há cinco anos. Segundo ela, tudo depende de como está o relacionamento e reforça que é preciso se adaptar à correria.

(Foto: Wesley Ortiz)

“Na correria, às vezes, não dá tempo, mas tem que ir encaixando. Homem ainda sempre se mostra mais disposto, porém pra mulher ter todo dia também é bom”, comenta.

Para o funcionário público Luis Carlos, de 45 anos, a questão vai muito além do sexo. Ele aponta que as pessoas vivem um ‘relacionamento de abandono'.

(Foto: Wesley Ortiz)

“Os relacionamentos estão se acabando devido à falta de compromisso do casal, da preocupação um com o outro. Vai muito além do sexo, falta buscar a Deus, independente da religião. A questão financeira também influencia”, destaca.

O segurança Wagner Aparecido, de 44 anos, faz coro ao pensamento de Luis. Para ele, as decepções fazem com que as pessoas queiram ficar sozinhas e, consequentemente, sem relação sexual.

(Foto: Wesley Ortiz)

“A correria do dia a dia, as pessoas se deixam de lado. As decepções também fazem com as pessoas não queiram mais relacionamento, optando por ficarem sozinhas”.  

A pedagoga Danielle Alfredo e a consultora de vendas Selma Ribeiro, de 24 e 22 anos, estão em um relacionamento há aproximadamente dois anos. Segundo elas, neste período, conseguiram adaptar uma rotina legal na vida sexual, porém revelam saber das dificuldades de alguns amigos.

“As pessoas estão com dificuldades não só no sexo e, sim de comunicação. Com todo esse avanço tecnológico e o avanço dos afazeres, as pessoas estão sem tempo. Chegam estressados, trabalham muito, às vezes até nove horas por dia. Chega à noite não tem disposição”, finaliza o casal.

Veja também