Menu
segunda, 06 de dezembro de 2021 Campo Grande/MS
CAMARA - vacinaçao
Cidades

Curimbatá pode voltar a ser comercializado em Mato Grosso do Sul

09 junho 2016 - 19h44Por Assessoria

O deputado estadual Beto Pereira (PSDB) participou de uma audiência pública, no Distrito de Porto XV, em Bataguassú, que debateu a alteração de um decreto que proíbe a comercialização da espécie de peixe curimbatá.

Desde 2004, o Decreto de n. 11.724, especificamente o Artigo 15, proíbe a pesca e distribuição deste peixe, atingindo principalmente a Região Costa Leste de Mato Grosso do Sul, onde estão municípios às margens do Rio Paraná. “Vamos entrar com o pedido de revogação desse decreto para oportunizar aos pescadores a comercialização desta espécie que já é capturada e que também é abundante em nossa Bacia”, afirmou o deputado.

Segundo o presidente da Colônia de Pescadores Z-13, Geraldo Druzian, hoje existem cerca de 180 pescadores profissionais cadastrados. Quando capturam a espécie, uma das alternativas é repassar para o comércio de Presidente Epitácio, cidade vizinha é que já está no Estado de São Paulo, onde o Curimbatá pode ser comercializado regularmente.

“Não faz sentido pescar o peixe e só poder comer dentro do rio. Nem sempre é possível levar esse pescado até o outro lado, pois são 13 KM de travessia e gasta-se combustível para isso. Dessa maneira, não se torna um bom retorno financeiro”, aponta o pescador. Em média o quilo do pescado custa R$ 5,00 no Estado vizinho. Pescadores representantes das colônias dos municípios de Anaurilândia e Três Lagoas também participaram da audiência.

Segundo Beto Pereira, é possível revogar o decreto em curto prazo e assim legalizar a comercialização do peixe. “Vamos fazer gestão o mais rápido possível junto ao Governo do Estado para que esse artigo seja imediatamente revogado e formalizado para ser publicado no Diário Oficial”. Também estiveram presentes, o prefeito Pedro Caravina e o vereador Maurício do XV (proponentes da audiência), dois representantes do Imasul - Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul, André Barros e Sandra Dambros.