Menu
sábado, 31 de outubro de 2020
Cidades

Despesas para atender decisões judiciais na área de saúde crescem 107% mesmo com o Estado oferecendo

Saúde

23 fevereiro 2014 - 09h00Por Marcelo Villalba

As ações judiciais movidas por pacientes em Mato Grosso do sul, que exigem medicamentos e atendimento de saúde, cresceram 107%. Nos últimos seis anos as despesas do Estado passaram de R$ 8,7 milhões em 2007 a R$ 18 milhões em 2013.

Em 90% dos casos, ocorre que o tratamento e o medicamento já eram oferecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

 A conta parece não encerrar, mas segundo o procurador de Estado Ivanildo Silva da Costa, que responde pela Coordenadoria Jurídica da Procuradoria-Geral do Estado na Secretaria de Estado de Saúde, essas ações não são frutos da omissão estatal.

“O que a pessoa quer é aquele remédio específico, aquele que o médico prescreveu, e ela não abre mão. A luta dos que defendem a sociedade sul-mato-grossense -os procuradores do Estado- é demonstrar que o SUS faz uma pesquisa científica quando incorpora um medicamento para distribuir gratuitamente, de modo a comprovar que os medicamentos são eficazes”.

O desafio, portanto, é convencer o Judiciário a considerar a análise criteriosa na incorporação de medicamentos aos protocolos de tratamento do SUS e também zelar pelo princípio de isonomia entre os pacientes, evitando que uma pessoa impaciente que procura a Justiça, "fure a fila" prejudicando os demais pacientes.

Ivanildo destaca, que em muitos casos a solicitação é por medicamentos que acabaram de sair no mercado, e que em muitos casos não tem tanta eficácia comprovada a longo prazo. 

 “Existe um movimento na medicina que é a medicina baseada em evidências (MBE), que acompanha medicamentos novos por anos. Se ele for eficaz, ele se consolida. Mas, às vezes, o paciente quer medicamentos que estão há pouco tempo no mercado e no segundo ano de uso se comprova que não era tão eficaz quanto se imaginava, sendo que se esse medicando tiver sido concedido através da Justiça, quem fica no prejuízo é toda a sociedade”.

Leia Também

Natal terá enfeites nas ruas, mas Cidade do Natal deve continuar de portas fechadas
Cidade Morena
Natal terá enfeites nas ruas, mas Cidade do Natal deve continuar de portas fechadas
Em último programa, Maisa se emociona em despedida do SBT
Geral
Em último programa, Maisa se emociona em despedida do SBT
Ciclista mostra pernas após 4 horas de treino e impressiona fãs
Geral
Ciclista mostra pernas após 4 horas de treino e impressiona fãs
Após semana de chuva, MS tem calor de 34°C em várias regiões
Cidade Morena
Após semana de chuva, MS tem calor de 34°C em várias regiões