Menu
quinta, 22 de outubro de 2020
Cidades

Entidade luta para combater vício a drogas e álcool no Nova Lima

Regiões de Campo Grande

16 janeiro 2014 - 19h00Por Aline Oliveira

 

O bairro Nova Lima enfrenta um grave problema social que é o alto número de famílias que sofrem com o problema de adicção em drogas e álcool. Um levantamento realizado pelos agentes de saúde da região revelou que o vício atinge todas as idades e ocasiona ainda prostituição infantil, homicídios e acidentes.

 

O líder comunitário José Ferreira Rocha Neto, o Zé do Anache, é presidente do Movimento de Apoio Social Campo-grandense e trabalha com uma Ong (Organização Não-Governamental) chamada “Grupo de Prevenção ao Alcoolismo Raio de Luz”. A entidade visa prevenir a utilização das substâncias ilícitas e trabalha com reuniões que promovem a vivencia de apoio às famílias, ouvindo os casos e orientando a busca por ajuda profissional. “Não acredito que a melhor solução seja o trabalho de reabilitação, mas sim, nos grupos terapêuticos e no foco da prevenção, a fim de evitar que jovens sejam influenciados pelos grupos no qual convivem”, analisou.

 

Zé do Anache afirma que a troca de experiências com os profissionais em assistência social e psicologia da rede municipal de saúde foram muito importantes para o trabalho que realiza. “Sou favorável à metodologia dos Alcoólatras Anônimos, a laborterapia e a técnica de Minesota. Não acredito em medicamento, pois quando passa o efeito do remédio a pessoa volta a beber e se drogar”, relatou.

 

Personagens – Duas histórias de moradores são exemplos do sofrimento moral que atinge toda família de adictos. Um deles é Clarindo Chagas da Silva, 34 anos, que mora no Nova Lima desde que nasceu. Filho de pais hansenianos, Clarindo e mais dois irmãos viveram boa parte da vida no educandário do hospital São Julião, em funcionamento desde a década de 70.

 

“Estudei até a quinta série e comecei a beber com 15 anos. Bebia corote mesmo e uso drogas também. É difícil demais, a gente acha que vai conseguir parar e não consegue. Já fui internado duas vezes no Contaps, mas recai. Tive muito apoio e hoje estou com depressão muito grande, além de ser hanseniano”, comentou.

 

Clarindo enfrenta uma situação de miséria extrema já que atualmente não possui emprego, a casa onde mora foi deixada pelos pais e não possui água, luz, tampouco banheiro. “Meu sonho é tomar um banho de chuveiro e acabar com as goteiras da casa. Também quero parar de beber, mas não consigo”, lamentou.

 

O homem que já foi coordenador de um grupo dos Alcóolatras Anônimos hoje está doente e desanimado com relação ao seu futuro. Questionado sobre qual foi a situação mais difícil, Clarindo lembra a morte dos pais. “Depois que meus pais morreram eu relaxei mesmo. Meus irmãos se afastaram e não me ajudam em nada, mas não tenho raiva não. Só fico triste, pois quando peço para tomar um banho na casa deles, tenho que implorar e me dão um balde com água”.

 

Para o adicto, seu maior benfeitor tem sido Zé do Anache que sempre acompanha os problemas e tenta auxiliá-lo no tratamento do vício. “considero o seu Zé como meu pai, já que não os tenho mais. Ele me ajudou muito, com as internações e mesmo me arrumando emprego. Acho que as pessoas só precisam de compaixão para não desistir e este meu grande amigo sempre ajuda”, revelou.

 

A segunda personagem que luta para se livrar do vício é Natally (não quis dar o sobrenome), 21 anos. Ela contou que começou a utilizar drogas com 12 anos e já foi internada duas vezes em decorrência da dependência em cocaína e pasta base. “Comecei usando maconha e logo depois parti para cocaína e pasta base. Quando tentei parar não consegui e fui internada, mas quando sai comecei novamente e me internaram novamente. Hoje estou há um ano e oito meses ‘limpa’, mas ainda é difícil”, desabafou.

 

A jovem aconselhou os jovens que tem curiosidade de experimentar e declarou que é um caminho sem volta. “Olha tem que ter muita opinião para parar, ninguém te leva a usar, mas quando você entra é quase um caminho sem volta. Então eu digo a quem não usou que nem experimente, para não passar pelo sofrimento que eu e minha família passamos”, finalizou.

 

Estigma da região – Zé do Anache comenta que é triste admitir a ‘fama’ do bairro de existir um comércio grande de entorpecentes, mas é preciso lutar pelos jovens que estão viciados, e principalmente, pelos que ainda não se renderam a sedução das drogas. “É uma realidade assustadora, a cada dia aumenta mais o número de usuários e de quem comercia as substâncias ilícitas. Mas, temos que lembrar que o álcool também é uma droga que desestrutura e adoece as famílias. Se não tratarmos toda a família, fica muito difícil curar o viciado”, reforçou.

 

Para o líder comunitário e dirigente da ong, o município ainda é carente de políticas públicas voltadas a prevenção e tratamento de usuários. “Temos na Capital somente um hospital especializado, que é o Nosso Lar com 75 leitos para atender uma grande quantidade pacientes. No Civitox do Hospital regional são mais 20 leitos e na Santa Casa, 15 vagas apenas. Como iremos atender a população de todo Estado? É importante criar projetos consistentes que orientem crianças e jovens, fortalecendo os valores e mostrando os malefícios do vício. Só assim conseguiremos reverter esta doença que hoje é mundial, o vício em drogas”, finalizou.

Leia Também

Candidato nega 'autopromoção' e que assessor usou perfil por engano para comentar no Facebook
Interior
Candidato nega 'autopromoção' e que assessor usou perfil por engano para comentar no Facebook
'Orelhudo, corno': cliente de app de corrida é xingado por motorista furioso em Campo Grande
Cidade Morena
'Orelhudo, corno': cliente de app de corrida é xingado por motorista furioso em Campo Grande
TRE nega suspeição de juiz e mantém 'desafeto' para julgar candidatura de Harfouche
Cidade Morena
TRE nega suspeição de juiz e mantém 'desafeto' para julgar candidatura de Harfouche
Destaque na produção de grãos, MS terá primeira indústria de etanol de milho
Economia
Destaque na produção de grãos, MS terá primeira indústria de etanol de milho