Menu
sábado, 19 de setembro de 2020
Cidades

Fiscais da Agetran suspeitos de cobrar propina para fazer 'vista grossa' estão na mira do MPE

Eles estariam fazendo 'vistas grossas' na fiscalização de ambulantes nos terminais de ônibus em Campo Grande

04 junho 2019 - 09h44Por Maressa Mendonça

A denúncia sobre o recebimento de propina de fiscais da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) em troca de fazerem “vistas grossas” durante a fiscalização dos terminais rodoviários de Campo Grande segue sob investigação do Ministério Público Estadual (MPE). 

Conforme publicação do Diário Oficial do MPE, a denúncia aponta que alguns fiscais estavam recebendo propina de ambulantes para não fazer uma fiscalização rígida nos terminais rodoviários.

O procedimento preparatório contra os fiscais da Agetran que estariam praticando improbidade administrativa foi instaurado em novembro do ano passado e acaba de ser transformado em inquérito civil.

Toda a apuração do caso está a cargo do promotor Humberto Lapa Ferri, da 31ª Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social da Comarca de Campo Grande (MS).

INVESTIGAÇÃO 

A investigação começou em novembro do ano passado. De acordo com a denúncia, a propina girava em torno de R$ 150 e, em troca, os fiscais da Agetran, estariam “aliviando” as inspeções nos terminais. Em janeiro de 2017, a prefeitura promoveu sorteio que garantiram a permanência de ambulantes nos terminais, em torno de 140. 

Leia Também

Fábrica de piscinas é interditada e empresário autuado em R$ 5 mil
Interior
Fábrica de piscinas é interditada e empresário autuado em R$ 5 mil
Neste sábado pode chover em algumas regiões de MS
Cidade Morena
Neste sábado pode chover em algumas regiões de MS
Rua dos Amigos vira sinônimo de bagunça, som alto até de madrugada e gente urinando na calçada
Cidade Morena
Rua dos Amigos vira sinônimo de bagunça, som alto até de madrugada e gente urinando na calçada
Tá podendo: aprovação de Bolsonaro sobe entre quem recebe auxilio emergencial
Geral
Tá podendo: aprovação de Bolsonaro sobe entre quem recebe auxilio emergencial