Menu
Busca quarta, 03 de junho de 2020
Camara - corona
Cidades

Lei de Responsabilidade Fiscal amarra negociação salarial de servidores, diz Barbosinha

Parecer sobre a reivindicação será apresentado na próxima segunda-feira (29)

26 abril 2019 - 09h30Por Amanda Amaral

O final de semana deve ser de intensas discussões a respeito da proposta de solução sobre o abono salarial de servidores públicos de Mato Grosso do Sul. O governo se comprometeu em apresentar uma solução na próxima segunda-feira (29), informa o deputado estadual Barbosinha (DEM).

“Levamos à equipe do governo a nossa preocupação principalmente em relação aos servidores que ganham menor salário, que teriam uma diminuição expressiva. O governo está muito sensível a isso e vamos estar debruçados sobre o assunto durante o final de semana pra, na segunda, termos encaminhamento”, afirma o deputado e líder do governo estadual na Assembleia Legislativa.

Na quinta-feira (25), representantes dos servidores estiveram entre os deputados na Casa de Leis, houve tumulto e a discussão foi suspensa. Antes, em nome do Fórum de Servidores, Alexandre Bueno discursou sobre a desigualdade na gestão estadual de gastos públicos em relação ao pagamento.

“Para o salário do governador foi aprovado um aumento de 16.38%. O salário do governador de R$ 30.400,00 aumentou para R$ 35.400,00, o dos secretários subiram de R$ 24.000,00 para 28.000,00. E nós estamos aqui hoje discutindo para não retirarem R$ 100 ou R$ 200 dos nossos pagamentos”, comparou, pedindo ainda acompanhamento mais rígido das comissões que acompanham a Lei Orçamentária Anual (LOA).

Barbosinha alega que essa conta não é tão simples, limitando-se ao que diz a legislação, e ressalta que os pagamentos de salários têm sido honrados. O deputado compara a situação debatida com pensão alimentícia.

“O governo lida com a questão da necessidade e possibilidade, igual pensão alimentícia, de um lado você tem, de um lado, a criança dizendo que precisa e o pai que só pode pagar isso. Então, é necessidade e possibilidade, o dilema do estado, está amarrado ao limite da Lei de Responsabilidade Fiscal. E a folha, sem dar reajuste, naturalmente ela aumenta, tem anuênios, promoções, e a receita não tem correspondido a esse aumento”, analisa.

Leia Também

FILIADO AO DEM: Pedrossian Neto nega saída de secretaria para ser vice de Marquinhos
Política
FILIADO AO DEM: Pedrossian Neto nega saída de secretaria para ser vice de Marquinhos
PM transfere tenente que matou professora no trânsito do interior para Campo Grande
Cidade Morena
PM transfere tenente que matou professora no trânsito do interior para Campo Grande
TSE julga pedido de Marina e Boulos para cassar chapa Bolsonaro-Mourão dia 8
Geral
TSE julga pedido de Marina e Boulos para cassar chapa Bolsonaro-Mourão dia 8
Em um dia, prefeitura arrecada 376 mil reais para Saúde de Campo Grande
Economia
Em um dia, prefeitura arrecada 376 mil reais para Saúde de Campo Grande