TCE 27/10 a 29/10
Menu
quinta, 28 de outubro de 2021 Campo Grande/MS
Cidades

Guerra sombria: governo reforça segurança na fronteira de MS após execuções

Onda de assassinatos iniciou com execução de vereador de Ponta Porã

13 outubro 2021 - 11h00Por Rayani Santa Cruz

A Sejusp (Secretaria de Estado, Justiça e Segurança Pública) reforçou a segurança na fronteira de Mato Grosso do Sul com mais de 80 homens após a onda de assassinatos na região de Ponta Porã. O final de semana foi marcado por execuções que até agora resultaram em sete mortes.

A guerra sombria que paira em Pedro Juan Caballero chega a Ponta Porã, e as Forças de Segurança do Estado realizam patrulhamento desde a cidade até Sete Quedas, afirma o secretário da pasta Antônio Carlos Videira.

“Estamos com mais de 80 homens reforçando, todo o efetivo já empenhado desde Pedro Juan Caballero até Sete Quedas, com o objetivo de proporcionar mais segurança e apoiar as autoridades paraguaias no esclarecimento desses quatro homicídios [de estudantes brasileiras e homens paraguaios], assim como também apoiar a Polícia Civil a e da Delegacia Especializada de Homicídios que estão trabalhando em prol de identificar os autores do homicídio do vereador Farid.”

Execuções

A primeira morte registrada no final de semana foi do vereador de Ponta Porã Farid Afif (DEM). Ele foi executado a tiros por um pistoleiro em uma moto no final da tarde sexta-feira (8).

O vereador andava de bicicleta em frente a uma revendedora de carros quando foi atingido até a morte. Ele chegou a publicar um vídeo nas redes sociais comentando sobre o percurso que estava fazendo. 

A DEH (Delegacia Especializada em Homicídios) de Campo Grande assumiu a investigação do caso. 

No sábado (9), também foi registrado mais quatro mortes por execução, sendo que uma das vítimas é Haylee Carolina Acevedo Yunis, de 21 anos, filha do governador de Amambay, Ronald Acevedo. 

Morreram também Kaline Reinoso; Osmar Vicente Álvarez Grande, o 'Bebeto'; e Rhannye Jamilly. 

A polícia paraguaia prendeu ontem (11), seis brasileiros acusados de participarem do assassinato. A Polícia acredita que Bebeto, era o principal alvo dos pistoleiros. Mais de 100 disparos foram feitos.

Depois disso, dois policiais paraguaios foram executados ontem (12).

Outros atentados

Em entrevista a uma rádio local, o governador de Amambay, Ronald Acevedo afirmou que Pedro Juan Caballero é “um mercado livre de assassinatos e tráfico de drogas”. 

É espantoso o número de execuções e tentativas de assassinato na fronteira. Isso reflete nas cidades de MS.

Em abril deste ano, por exemplo, a casa do vereador Mauro Ortiz (PSDB), em Ponta Porã, foi alvejada por tiros e o filho de 3 anos ficou ferido. 

Também em Ponta Porã, em 2019, o ex-candidato a prefeito e ex-vereador, Chico Gimenez, foi assassinado após pistoleiros invadirem a casa. 

Chico Gimenez era tio do narcotraficante Jarvis Pavão.

Pavão está recolhido na Penitenciária Federal de Brasília, após ser condenado a 16 anos e cinco meses de reclusão, em regime fechado, mais multa. 

A onda de violência extrema na região também teve início após a morte do narcotraficante Jorge Rafaat Toumani, em junho de 2016. Ele era chamado de "rei da fronteira" e foi morto a tiros durante uma emboscada coordenada pelo PCC.

Autoridades das forças de segurança de Pedro Juan Caballero e de Ponta Porã afirmam que ao menos 15 pessoas foram assassinadas na região nas duas últimas semanas.

Leia Também

"Como vou aguentar essa dor no meu peito", diz mãe de jovem morto em MG
Interior
"Como vou aguentar essa dor no meu peito", diz mãe de jovem morto em MG
Picarelli é condenado por acumular mandato de deputado com diretor de TV em Campo Grande
Campo Grande
Picarelli é condenado por acumular mandato de deputado com diretor de TV em Campo Grande
Colégio Militar aceita filha de Bolsonaro; apenas 10 alunos ingressaram por concurso em MS
Campo Grande
Colégio Militar aceita filha de Bolsonaro; apenas 10 alunos ingressaram por concurso em MS
Feriadão empolga e aeroporto da Capital pode receber mais de 20 mil passageiros
Campo Grande
Feriadão empolga e aeroporto da Capital pode receber mais de 20 mil passageiros