Menu
Busca sexta, 03 de julho de 2020
ALMS
Cidades

Mesmo aposentado, idoso que morreu carbonizado mantinha rotina de trabalho

O incêndio, conforme informado pelos bombeiros, teria começado ainda na noite de ontem e seguido durante a madrugada

28 maio 2020 - 17h00Por Nathalia Pelzl e Willian Leite

Trabalhador, assim Espedito Soares, 80 anos, era conhecido na vizinhança. Ele morreu carbonizado, na madrugada desta quinta-feira (28), na região das Moreninhas, em Campo Grande.

O incêndio, conforme informado pelos bombeiros, teria começado ainda na noite de ontem e seguido durante a madrugada.

Espedito, segundo vizinhos, atuou na antiga Enersul, mas mesmo aposentado, seguia firme no trabalho e recolhia reciclagem na região.

Na casa humilde, Espedito morava sozinho e tinha como companheiro um cachorro, que os vizinhos não souberem dizer o nome.

As causas do incêndio não foram informadas, mas tudo indica que os entulhos no quintal possam ter contribuído com a tragédia.

Entenda

Espedito Soares, 80 anos, morreu carbonizado após a casa pegar fogo na Rua Quina da Serra, Moreninha IIII, em Campo Grande.

Conforme registro da ocorrência, a casa começou a pegar fogo por volta das 19h e seguiu durante o resto da noite a madrugada desta quinta-feira (28). Vizinhos acionaram o Corpo de Bombeiros, que realizaram os procedimentos, mas a vítima não resistiu.

Espedito morava sozinho. O enteado dele esteve no local e fez o reconhecimento. O caso foi registrado como morte a esclarecer.

Leia Também

Adolescente é espancado a pauladas por primos em Aquidauana
Interior
Adolescente é espancado a pauladas por primos em Aquidauana
Resende ameaça lockdown e diz que prefeitos devem deixar de pensar em campanha eleitoral
Saúde
Resende ameaça lockdown e diz que prefeitos devem deixar de pensar em campanha eleitoral
BARBÁRIE: policial paraguaio mata filhos de 1 e 2 anos, sogros, cunhadas e se mata
Polícia
BARBÁRIE: policial paraguaio mata filhos de 1 e 2 anos, sogros, cunhadas e se mata
Com 107 mortes por covid-19, secretário diz que contribuição da população “está sendo criminosa”
Saúde
Com 107 mortes por covid-19, secretário diz que contribuição da população “está sendo criminosa”