Menu
domingo, 20 de setembro de 2020
Cidades

No Dia do Trabalhador, Sindicato e entendes públicos defendem ambientes mais seguros ao trabalhador

Fechamento do Abril Verde destacou a importância dos profissionais ligados à segurança do trabalho

01 maio 2019 - 17h32Por Da redação

Mato Grosso do Sul registra 1 acidente de trabalho a cada hora e uma morte estimada a cada 8 dias. São dados alarmantes, de acordo com os dados do Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso do Sul e Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região até o dia 29 de março deste ano. Para os especialistas no segmento, o ideal é não acontecer nenhuma morte no ambiente de trabalho.

Diante disso, o Sindicato dos Técnicos de Segurança do Trabalho de Mato Grosso do Sul (Sintest/MS) tem atuado ostensivamente no sentido de oferecer cursos e palestras que abordam o tema, a fim de proporcionar ferramentas eficazes na melhoria da segurança do trabalhador, além de estimular a reflexão sobre o quanto o assunto deve ser colocado em evidência no meio empresarial e industrial. Ganha o empresário que mantém em seu quadro, colaboradores saudáveis e produtivos e presentes e mais ainda o trabalhador que tem a sua vida preservada e saudável em todos os aspectos.

Este 1º de maio também marca o encerramento do Abril Verde, movimento que aconteceu simultaneamente em todo o Brasil em prol da segurança do trabalhador. Entretanto, não é apenas em abril que empresas, indústrias e instituições públicas e privadas devem se atentar quanto ao assunto, mas sim ao longo de todos os meses do ano. Para André Ferreira Lima, presidente do Sintest/MS, a cultura prevencionista deve ser fortalecida a cada dia no ambiente de trabalho. “Nós estamos focados em continuar a proporcionar seminários e workshops para tratar da defesa da segurança do trabalhador.

Demais órgãos públicos são parceiros importantes nessas nossas ações. E não mediremos esforços para garantir a segurança dos nossos trabalhadores sul-mato-grossenses”, defendeu o presidente do Sintest/MS.  

Palestras alertaram sobre a importância de falar do Abril Verde. (Foto: Divulgação MPT)

Ciclo de palestras

No último dia 22 de abril, o Seminário em Memória das Vítimas de Acidente de Trabalho foi realizado pelo Sindicato dos técnicos de Segurança do Trabalho no Estado do Mato Grosso do Sul (Sintest/MS), Ministério Público do Trabalho (MPT), Tribunal Regional do Trabalho (TRT-24ª Região) na Câmara Municipal e contou com duas palestras voltadas a estudantes e profissionais em saúde do trabalhador. A psicóloga especialista em psicologia do trabalho e mestre em psicologia da saúde, Ana Carolina Perroni, abordou o tema “Saúde X Trabalho”.

“Ainda temos uma cultura enraizada que o workaholic, aquele profissional que só pensa em trabalho e passa horas no ambiente de trabalho, é o melhor profissional a ser contratado pelas empresas. Entretanto, quando o sujeito adoece, ele é forçado a se afastar e por isso esse comportamento traz prejuízos ao trabalhador. Há de se atentar que adição ao trabalho, ou seja, o vício configura em trabalho compulsivo, quando o trabalhador não percebe que exagera e o excessivo, quando ele diz para lhe dar mais trabalho, ambos igualmente danosos”, explicou a psicóloga durante a palestra.

Já o técnico de segurança do trabalho e pós-graduado no segmento pela Universidade dos Trabalhadores da América Latina (UTAL) radicado em Chapecó, Santa Catarina, João Carlos Figueira, foi especialmente convidado a palestrar sobre os desafios dos profissionais prevencionistas nas ações e gestão da prevenção de acidentes de trabalho e doenças do trabalho.

Para o profissional, o Abril Verde deve ser encarado com tanta seriedade quanto o Outubro Rosa e o Novembro Azul, célebres campanhas que hoje estão consolidadas junto à opinião pública no país. “O dia 28 de abril relembra as vítimas de acidentes de trabalho. Não é celebração, mas uma memória aos que sucumbiram no ambiente de trabalho. Por isso, os técnicos de segurança do trabalho precisam dominar a legislação vigente a fim de ser um multiplicador dessa consciência, pois trabalhador saudável é trabalhador produtivo. Cadáver não paga contas, não cria filhos. Se o trabalhador está em um ambiente de trabalho arriscado e perigoso, melhor pegar a sua carteira de trabalho e procurar outra atividade do que perder a sua vida”, pontuou Figueira durante sua apresentação.

Cláudia Fernanda Noriller Silva, procuradora do Ministério Público do Trabalho de Mato Grosso do Sul (MPT/MS) destacou os danos também econômicos dos acidentes de trabalho no país. “Estamos em um momento em que a cada 40 segundos acontece um acidente de trabalho no Brasil e a cada 3 dias acontece uma morte no ambiente de trabalho. Entre 2012 e 2019, foram gastos mais de 80 bilhões pela Previdência Social em pagamentos de auxílios acidentários e pensões por morte. Neste momento em que se fala da reforma da Previdência, é importante que este assunto venha à tona, porque quem paga o preço pela falta de segurança do trabalho somos todos nós, a sociedade. Que possamos refletir sobre isso”, pontuou a procuradora.

André Ferreira Lima, presidente do Sintest/MS, relembrou também os profissionais que perderam suas vidas no ambiente de trabalho, o que poderia ser evitado se a cultura prevencionista estiver presente em todos os setores produtivos do estado. “No ano passado tivemos dois suicídios e mais um esse ano, de trabalhadores na área da saúde. A semente está plantada e devemos rever os nossos conceitos, sermos multiplicadores da segurança no ambiente de trabalho”, concluiu.

 

 

Leia Também

Prefeito em MS ameaça dar tiro em bolsonaristas
Polícia
Prefeito em MS ameaça dar tiro em bolsonaristas
Chuva pode dar as caras já neste sábado e no domingo em Campo Grande
Cidade Morena
Chuva pode dar as caras já neste sábado e no domingo em Campo Grande
Brasil tem 739 mortes pela covid-19 em 24 horas, diz Ministério da Saúde
Geral
Brasil tem 739 mortes pela covid-19 em 24 horas, diz Ministério da Saúde
Saudade é tanta, que um ano após perder o filho, Thayelle ainda escuta Miguel chamar
Entrevistas
Saudade é tanta, que um ano após perder o filho, Thayelle ainda escuta Miguel chamar