TCE MAIO
(67) 99826-0686

50% maior que janeiro, índice de acidentes de trânsito com mortes sobe na Capital e preocupa autorid

Violência no Trânsito

24 FEV 2014
Carlos Guessy
18h15min
Faltando ainda quatro dias para o fim do mês, o número de mortes já é superior ao total registrado no ano passado. Foto: Geovanni Gomes

Quatro pessoas morreram em acidente de trânsito no final de semana em Campo Grande. São 16 mortes somente este ano. Um dado alarmante que vem chamando a atenção das estatísticas e dos órgãos competentes de trânsito no Estado.  Das vítimas, oito são motociclistas. Uma delas era passageira de carro, outra de moto, um pedestre e outro motociclista.


O mês de fevereiro completou 23 dias com oito vidas perdidas em tragédias que chocaram a população, superando o mês de janeiro.


1º Caso

A primeira tragédia ocorreu na manhã do sábado (22), na avenida Afonso Pena, em frente ao Hotel Grand Park. O pintor industrial Hebert dos Santos Lima, 38 anos, estava no banco de trás de uma S-10 que bateu em um coqueiro.


O motorista e o outro passageiro, ambos da cidade de Cosmópolis (SP), ficaram feridos e precisaram ser levados para a Santa Casa.


Conforme as apurações da perícia, o condutor da caminhonete seguia em alta velocidade no sentido centro quando subiu o canteiro da avenida e colidiu em um coqueiro. Hebert não resistiu aos ferimentos e morreu na hora.


O corpo dele foi levado para o interior de São Paulo na noite do sábado. O motorista da S-10, Diogo Barbosa Araújo, 23 anos, segue internado em estado grave.


Para a estudante de psicologia, Fernanda Brum, 18 anos, os jovens de hoje só querem beber e depois querem pegar a direção dos veículos. "Por isso que está acontecendo essas tragédias nos finais de semana. A maioria dos jovens só pensam na balada e encher a cara. Ficam valentões ou brigam por bobeira  ou pegam os veículos e acontecem essas tragédias que chocam todos", revoltou a acadêmica de psicologia.


2º Caso

O segundo caso foi o pedestre Félix Fernando Ajala, 24 anos. Ajala morreu depois de ser atropelado na avenida Fernando Corrêa da Costa, esquina com a rua 14 de Julho. O jovem foi encaminhado para a Santa Casa, mas não resistiu aos ferimentos.


Segundo a polícia, o motorista fugiu depois do acidente e ainda não foi encontrado. As buscas continuam já que uma câmera de segurança da região flagrou o momento do acidente.


3º Caso

O terceiro caso aconteceu ontem, domingo (23), outras duas pessoas morreram. O acidente foi na Avenida Gunter Hans, em frente ao Terminal Aero Rancho. O motociclista Sérgio Ortiz Dias, 23, perdeu o controle da direção da moto, bateu em um poste e depois em uma placa.


A força do impacto foi tão grande que a vítima sofreu várias lesões no tórax, nariz, mandíbula, cabeça e teve hemorragia interna. Sérgio morreu minutos depois da chegada do socorro.


A empresária Gorety Flores, 50 anos, tem cinco filhos e quatro netos, os filhos todos na faixa dos 30 anos e os netos na pré adolescência. Ela diz que como toda mãe e avó fica preocupada principalmente nos finais de semana com todos da família. "Conversamos muito nos almoço de domingo na mesa sobre as baladas, bebidas, drogas. A nossa família é super unida e todo mundo se cuida em relação as coisas que acontecem hoje em dia em tudo que é lugar. Confesso que mesmo assim temo pelos filhos e agora os netos", confessou  Gorety.


4º Caso

A última vítima do fim se semana na Capital foi a estudante Cinthia Aparecida de Jesus Lima, 23 anos. A jovem estava na garupa da motocicleta conduzida por Jânio Batista Lopes, 28 anos. O acidente ocorreu na noite de ontem (23), na Avenida Três Barras.


Veja também