TCE MAIO
(67) 99826-0686
Camara Maio

Ousadia de bandidos põe à prova plano de policiamento da PM

À luz do dia

20 DEZ 2013
Ana Rita Chagas
11h24min
Foto: Geovanni Gomes

O sentimento de indignação e revolta se misturam entre os proprietários de estabelecimentos localizados na Avenida dos Cafezais quando o assunto é segurança. Esta semana três assaltos foram registrados à luz do dia na principal via que dá acesso a bairros da região sul da Capital.

Segundo os comerciantes os assaltos acontecem à mão armada, praticados na maioria das vezes por duplas de motocicletas."Um entrou na loja e o outro ficou do lado de fora, na calçada. Ele  limpou toda a vitrine, levou celulares, e ameaçou  todo mundo. A gente fica triste porque o coronel David disse que aqui está tendo um policiamento ostensivo, mas quando a gente ligou para a polícia, ela levou mais de 40 minutos para chegar até aqui. A viatura  foi descolada do Bairro Tiradentes, porque não tinha nehuma na região", disse inconformado Marcos Gomes, 52 anos, que há cinco mantém um estabelecimento no local.

De acordo com o comerciante, as duplas agem em horários alternados. Na última terça-feira (17), além da loja de utensílios, outros dois locais foram assaltados. Há uma semana uma pizzaria localizada na mesma avenida foi assaltada. Os bandidos levaram o carro do  proprietário."Eles sempre agem do mesmo jeito. Chegam de moto rende todo mundo com armas e pede dinheiro. São violentos, entram xingando os clientes. A gente fica morrendo de medo, não tem como não ficar inseguro aqui", disse outra proprietária,Tatiana Rodrigues, 28.

Ineficiência- Para os comerciantes o plano de policiamento da PM deveria surtir efeito imediato na região.Durante o período de 1 hora em que a reportagem esteve na Avenida dos Cafezais, nenhuma viatura policial passou pela via. O que confirma que a revolta dos comerciantes com o plano de policiamento da PM.  "A gente não tem o que fazer. Aqui todos nós somos registrados, não somos clandestinos. Pagamentos todos os impostos, merecemos uma segurança digna", disse Marcos Gomes. 

Veja também