TCE MAIO
(67) 99826-0686
PMCG - Prestação de contas

Pacientes sofrem com a suspensão dos transplantes da Santa Casa

Cirurgia

27 DEZ 2013
Ana Rita Chagas
07h00min
Foto: Ana Rita Chagas

Com a suspensão das cirurgias de transplantes de ruins anunciada pela Santa Casa de Campo Grande, este mês, integrantes da diretoria da Recromasul (Associação dos Doentes Renais Crônicos  e  Transplantados de Mato Grosso do Sul)  temem pela vida de pacientes que estão na fila de espera há mais de dez anos para receber o benefício. 


Segundo a vice-presidente da entidade,Maura George Souza Trindade, 56, em Mato Grosso do Sul mais de 400 pessoas aguardam pelo procedimento.  "Quanto  mais o tempo vai passando na hemodiálise pior o paciente vai ficando, porque  vai debilitando tudo, o coração, pulmão, tudo, então é muito complicado" afirma.

Maura George passou pelo procedimento de transplante há 17 anos. E há três teve de esperar na fila. Hoje ela ajuda outras pessoas que passam pelo mesmo problema. " Na época fiz a minha cirurgia na Santa Casa. Nesse período eu fiz hemodiálise por três anos e três meses. Lembro que fiz um exame  à noite e de manhã já fiz o transplante. Mesmo com todo cuidado que recebi eu fiquei 23 dias internada, porque o meu não foi bem sucedido", acrescenta.

Recromasul  - Conforme Maura George, uma das maiores dificuldades da associação é manter os serviços prestados para os pacientes, que em sua grande maioria são do interior de Mato Grosso do Sul. "A nossa associação trabalha com o voluntariado, não recebemos dinheiro nem do estado e nem da prefeitura. São pessoas que doam algum alimento para os pacientes que vem de Dourados, Três Lagoas. Ao toto temos 1400 pacientes que estão fazendo hemodialise", disse.

De janeiro até novembro foram realizadas 45 cirurgias de transplantes de rim na Santa Casa de Campo Grande. Conforme a assessoria do hospital,  a Santa Casa  resolveu suspender os serviços de transplantes por 90 dias, após a ocorrência do óbito de três pacientes transplantados." O que a gente mais quer é que tudo volte ao normal para que essas pessoas possam aliviar o seu sofrimento e que seja o mais rápido possível", disse. 

Veja também