Menu
quarta, 12 de agosto de 2020
Cidades

PMA se prepara para combater pesca ilegal no Estado durante a Piracema

Piracema

04 novembro 2013 - 15h51Por Aline Oliveira

O período de defeso para a Proteção da Piracema tem início na madrugada desta terça-feira (5) e é valido para todos os rios que cortam o território de Mato Grosso do Sul. De 5 de novembro a 28 de fevereiro do ano que vem fica proibida a pesca, em razão da época de reprodução da maioria dos peixes das duas bacias do Estado, Paraná e Paraguai.

 

No caso da bacia do rio Paraguai será permitida somente a pesca de subsistência para o morador ribeirinho ficando autorizada a captura de R$ 3kg ou um exemplar, sendo proibida a comercialização. Já nos rios Paraná e Paranaíba, a Piracema começou no último dia 1º novembro ficando permitida a pesca de 10 kg de pescado mais um exemplar de peixe não nativo da bacia e exótico como o Tucunaré, Curvina, Porquinho e Tilápia.

 

Para pescador profissional não há limite de cota para a captura das mesmas espécies, porém não se podem utilizar apetrechos como molinetes, linhadas, caniços simples e carretilhas, ficando proibida a utilização de malhas e tarrafas.  Além disso, o pescador deve respeitar o limite de 1.500 metros de distância das barragens das usinas.

 

A estratégia da Polícia Militar Ambiental é realizar uma fiscalização contínua, evitando assim que durante a Piracema os pescadores consigam depredar os rios do Estado. O esquema especial será mantido com todo efetivo da corporação que é 329 policiais lotados em 25 subunidades em 18 municípios. Cabe destacar que desde o dia 25 de outubro, os policiais estão trabalhando na operação pré-piracema no intuito de realizar um trabalho preventivo e de esclarecimento com os pescadores.

 

Já estão montados postos avançados fixos, nas principais cachoeiras e corredeiras nos rios do Estado e da União, em total de 10 pontos de monitoração dos cardumes. Os locais precisam ser constantemente monitorados já que neste ponto os cardumes ficam mais vulneráveis por estarem focados na subida e fazem muito esforço.

 

Segundo a PMA os pescadores que infligirem as regras estão sujeitos a incorrer em crime ambiental com possibilidade de prisão de um a três anos (lei 9.605/98) ou multas que variam entre R$ 700 e R$ 100 mil e mais R$ 20 reais por quilo de pescado irregular.

 

Fonte: Ascom PMA

Leia Também

Foto de entregadora de aplicativo com as filhas no colo comove redes sociais
Geral
Foto de entregadora de aplicativo com as filhas no colo comove redes sociais
Bolsonaro confirma visita a Corumbá no dia 18, primeira vez como presidente
Cidades
Bolsonaro confirma visita a Corumbá no dia 18, primeira vez como presidente
Marquinhos altera decreto e Lei Seca começa a valer nesta quarta-feira
Cidade Morena
Marquinhos altera decreto e Lei Seca começa a valer nesta quarta-feira
Atlético-GO tem quatro jogadores com covid e vai desfalcado contra o Flamengo
Geral
Atlético-GO tem quatro jogadores com covid e vai desfalcado contra o Flamengo