IPVA GOV
(67) 99826-0686
REFIS FEV.

Prefeitura renova contrato de mais uma obra com empresas citada na Lama Asfáltica

Trata-se de uma construção do Centro de Educação Infantil Anache/Nova Lima

1 OUT 2016
Rodson Willyams
07h00min
Foto: Geovanni Gomes / Arquivo

A prefeitura de Campo Grande publicou, por meio do Diogrande (Diário Oficial Municipal) de sexta-feira (30), novo apostilamento referente a contrato n. 182/2012 assinado em 2012, com a Coletto Engenharia Ltda., construtora citada em relatório da Operação Lama Asfáltica. 

O ato foi publicado por meio da Secretaria Municipal de Educação, com a assinatura da secretária municipal de Educação, Leila Machado, e visa a construção do Centro de Educação Infantil Anache/Nova Lima. 

O Ceinf integra uma das 44 obras que estavam paralisadas e que foi retomada em maio deste ano pela prefeitura. Na época, a administração anunciou investimento de R$ 45 milhões para reiniciar todas as obras. O Ceinf Anache/Nova Lima está na lista das 12 unidades que devem ser construídas ainda este ano. 

Neste apostilamento publicado, que nada mais é do que fazer anotação ou registro administrativo no próprio termo de contrato, incluiu-se o ato de dotação orçamentária: 0207123611491096, cuja fonte de recurso é a 05.

Lama Asfáltica

O relacionamento entre a empresa e o pivô da Operação Lama Asfáltica, João Alberto Krampe Amorim, chamou a atenção da Polícia Federal. Segundo relatório da 1ª fase das investigações, a Coletto seria parte do esquema criminoso de fraude em licitações de obras públicas que culminou na prisão preventiva de Edson Giroto, Beto Mariano, entre outros poderosos de Mato Grosso do Sul.

“Das 17 empresas que prestam serviços de manutenção nas rodovias estaduais, 15 seriam de João Amorim, sócios e laranjas. As empresas A.L. Dos Santos & Cia e Coletto Engenharia fazem parte do mesmo esquema, ambas financiaram, comprovadamente e não, campanhas eleitorais do mesmo candidato o ex-Secretário de Assuntos Fundiários de Campo Grande/MS, Vanderlei Pinheiro de Lima, o ‘Delei Pinheiro’”, explica a PF. 

 

Veja também