Tribunal de Contas
(67) 99826-0686
Camara - marco

HU tenta negociar custos para evitar suspensão dos serviços de anestesia da unidade

Hospital Universitário

22 NOV 2013
Ana Rita Chagas
11h20min
Foto: Divulgação

Integrantes da diretoria do Hospital Universitário se reúnem nesta sexta-feira (22), com representantes da SERVAN  e MPF/MS (Ministério Público Federal de Mato Grosso do Sul) para chegar a um acordo que possibilite a continuidade dos serviços de anestesia da unidade hospitalar. Segundo a assessoria do hospital, a intenção da diretoria do HU é fazer com que a empresa aceite as orientações do TCU ( Tribunal de Conta da União) e  tabela de preços estabelecida pelo Sistema Único de Saúde.

De acordo com o MPF/MS, o SERVAN está oferecendo serviços que ultrapassam os valores exigidos pela tabela do SUS ( Sistema Único de Saúde) em até 1600%. O MPF/MS protocolou, na última  quarta-feira (20), ação civil pública na Justiça Federal para impedir a paralisação dos procedimentos de anestesia no Hospital Universitário, em Campo Grande.

Na próxima segunda-feira (25),  termina o contrato do HU com a empresa SERVAN Anestesiologia, que até o momento não apresentou interesse em aceitar renovar a prestação de serviços, com base na remuneração praticada pela Tabela do SUS. Conforme o MPF/MS, na Capital, 97% dos médicos anestesiologistas estão filiados ao SERVAN – dos 89, apenas 3 não integram o quadro da empresa, o que inviabiliza a contratação de profissionais autônomos para atender à demanda do HU. O monopólio do SERVAN é agravado pela exigência de remunerações muito acima dos preços praticados pelo SUS e pela irredutibilidade da empresa em negociar valores. 

Veja também