TJMS - novembro
tce novembro
Menu
Busca terça, 19 de novembro de 2019
Cidades

'Self Service' nos postos de gasolina pode colocar motoristas em perigo, diz sindicato

Presidente Sinpospetro reforça que abastecimento não é único serviço dos frentistas e alerta sobre riscos do manuseio de combustíveis

04 julho 2019 - 09h30Por Maressa Mendonça

A aprovação do projeto de lei federal 2302/19, que permite ao consumidor abastecer o próprio veículo nas bombas, ameaça o emprego de 7 mil frentistas em Mato Grosso do Sul. A estimativa é do  Sinpospetro (Sindicato dos Empregados em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo de Mato Grosso do Sul). 

Para o presidente do Sinpospetro, José Hélio da Silva, é um erro achar que os frentistas apenas abastecem os veículos, além dos riscos da atividade. “Eles averiguam várias questões do carro, dão orientações. Não é só colocar gasolina”, disse. 

José Hélio disse que a Federação Nacional dos Empregados em Posto de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo (Fenepospetro) também está realizando um trabalho de convencimento dos deputados e da sociedade em geral sobre o assunto. Eles divulgaram uma nota com quatro motivos para dizer não ao projeto.

Além do risco das demissões em massa e dos riscos do contato direto com os combustíveis, a Federação pontua também o possível aumento das filas e insegurança do próprio local com a ausência de trabalhadores. Isto porque muitos motoristas pedem ajuda nos postos. 

O PROJETO 

O projeto de Lei Federal 2302/19, do deputado Vinicius Poit (Novo-SP) , permite o funcionamento de bombas de autosserviço operadas pelo próprio consumidor nos postos de abastecimento de combustíveis, em todo o território nacional. No momento, ele está sendo analisado por algumas comissões da Câmara dos Deputados. A ideia é reduzir o preço do combustível com a redução dos encargos trabalhistas pagos pelos empresários.