(67) 99826-0686
PMCG - Prestação de contas

Superlotação de Delegacia das Moreninhas assusta moradores da região

Segurança Pública

1 MAR 2014
Aline Oliveira
07h00min
Foto: Simpol/MS

Os moradores dos bairros Moreninha I e II, na região urbana do Bandeira estão preocupados com a situação do 4º Distrito de Polícia Civil da região. Em funcionamento há mais de uma década, o local que tem o objetivo de atender as ocorrências policiais e realizar investigações enfrenta uma situação de superlotação, já que foi planejado para receber 24 detentos e atualmente comporta o dobro da quantidade estipulada.

 

 Conselheiro regional há mais de 20 anos na região do Bandeira, Jurandir Domingues Oliveira relembra o problema enfrentado pela população e a insegurança que domina os moradores do entorno da delegacia. “Quando a delegacia foi construída tinha apenas duas salas para atender possíveis prisões. Com o passar do tempo foi ampliada e o local já chegou a ter mais de 100 presos em duas salas pequenas. Já ouve rebelião e fuga e a situaçao deixa a população vulnerável. Agora está mais tranquilo, mas no passado foi bem pior”, destacou.

 

Oliveira explica que os moradores já fizeram várias reivindicações para que não deixassem pessoas presas no local e lembra que é insalubre o funcionamento de presídios dentro da área urbana da cidade. “Na época participamos de várias reuniões com o então secretário de segurança pública que nos garantiu que ia resolver a situação. Mas, o máximo que conseguimos foi o compromisso de só deter pessoas com problemas de brigas ou de falta de pagamento de pensão alimentícia, o que não foi cumprido”.

 

O conselheiro sugeriu que o ideal seria retirar os presos do 4º DP e instalar ali outros atendimentos na área de segurança pública. “Se já era perigoso há 10 anos, imagina agora que temos uma população de 60 mil pessoas. Ao lado da delegacia existem escolas, creches e residências, o ideal seria funcionar uma delegacia de mulheres ou um centro de reabilitação de usuários de drogas, por exemplo”, argumentou.

 

Outro morador antigo e que conhece intimamente o problema de segurança pública é Odacir Machado, conhecido como ‘Ratinho’. Ele já foi conselheiro regional e presidente da associação de moradores e reforça as críticas de Oliveira.

 

“Olha a situação aqui já esteve pior ainda, mas, ainda desejamos muito que a delegacia não tenha mais detidos. Lembro situações dramáticas quando estiveram encarceirados mais de 100 presos, fugas e até ameaça de bomba. Sou favorável a construção de presídios como vem sendo divulgado, mas não dentro dos bairros como acontece aqui. A população que vive no entorno não dorme tranquila, sofre constantemente com a ameaça de presos escaparem”, alertou.

 

Encaminhamentos – O vereador Chiquinho Telles (PSD) enviou um requerimento a Secretaria de Estado de Justiça e de Segurança Pública (Sejusp) solicitando a retirada dos presos da delegacia. “A delegacia das Moreninhas para nós é muito importante, o que atrapalha muito é esse presídio dentro do nosso bairro, e pior onde é pra caber 24 presos está com mais de 50, e ainda perdemos dois investigadores para cuidar de preso, atrasando todo um trabalho de investigação da Polícia Civil”, alertou.

 

Já o vereador Edil Albuquerque (PMDB) encaminhou um projeto para análise na Casa de Leis, no qual quer impedir a construção de presídios dentro do perímetro urbano de Campo Grande. O limite mínimo seria de 30 km da cidade. Na justificativa estão elencadas as reclamações de moradores, a insegurança vivida por quem mora próximo aos presídios e a desvalorização comercial dos terrenos e residências.

Veja também